MP cria grupo para investigar políticos

Rodrigo Janot reforça estrutura para apurar denúncias de participação de parlamentares em desvios na Petrobras

Por O Dia

Brasília -  O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, criou um grupo especial com oito promotores para investigar as denúncias da Operação Lava Jato que envolvem políticos suspeitos de participar do esquema de corrupção montado na Petrobras e em grandes empreiteiras e que serão julgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Para isso, ele assinou na segunda-feira portaria estabelecendo prazo de seis meses para o trabalho e nomeando o procurador-regional da República Douglas Fischer, que tem experiência em investigações de casos de corrupção, como coordenador.

Janot espera enviar ao Supremo em fevereiro as primeiras denúncias ABr


Douglas Fischer já trabalha como auxiliar direto de Janot, em seu gabinete. Outro colaborador próximo do procurador-geral e com experiência em apurar desvio de dinheiro público incluído no grupo é o procurador Vladimir Aras.

Também membros da procuradoria-geral, integram o grupo os promotores Andrey Borges, Bruno Calabrich, Fabio Magrinelli e Rodrigo Telles. A equipe será completada pelos proucuradores do Ministério Público do Distrito Federal Sergio Cabral Fernandes e Wilton Queiroz de Lima.

META É AGILIZAR APURAÇÃO

O objetivo de Janot é permitir que esse grupo trabalhe em paralelo com a força-tarefa que investiga os acusados cujos processos tramitam na Justiça Federal do Paraná. Assim, o procurador-geral espera dar mais agilidade aos trabalhos e enviar já no mês que vem as primeiros denúncias ao STF.

Os processos serão separados porque políticos com mandato têm fórum privilegiado e só podem ser julgados pelo Supremo. E, em depoimento, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, beneficiado com a delação premiada, afirmou à Justiça que pelo menos 35 parlamentares estavam no esquema de desvio de recursos.

Últimas de _legado_Brasil