TST determina que 80% dos aeroviários e aeronautas mantenham atividades

Categorias farão paralisação entre 6h e 7h desta quinta-feira e alegam que interrupção dos voos não contraria liminar

Por O Dia

Rio - Uma liminar concedida pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinou que os aeronautas e aeroviários mantenham 80% do efetivo trabalhando durante a paralisação das categorias entre 6h e 7h desta quinta-feira. A decisão, no entanto, não afetará o protesto, pois, segundo os sindicatos que representam as classes, a interrupção dos serviços naquele período atingirá menos de 20% das decolagens do dia. E, além disso, 100% do efetivo comparecerão aos aeroportos. 

Aeronautas e aeroviários iniciam greve nesta quinta-feira

Os trabalhadores afirmam que tentam negociação com as empresas aéreas desde setembro, porém, as reivindicações — a maioria cláusulas sociais — não foram atendidas. 

Aeronautas e aeroviários reivindicam reajuste nos salários e benefícios de 8%2C5%Antônio Cruz / Parceiro / Agência Brasil

O TST estabeleceu multa diária de R$ 100 mil, caso a determinação não seja cumprida. A ação cautelar foi levada ao tribunal pelo Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea).

"Recebemos a liminar e já estamos tomando providências. Serão suspensos 175 voos de um universo de 2 mil operações diárias. Com isso, cumprimos tranquilamente a liminar do TST. Os aeronautas estarão 100% nos aeroportos também", alegou o comandante Rodrigo Spader, secretário geral do Sindicato dos Aeronautas (pilotos, co-pilotos e comissários de bordo). 

Os trabalhadores também pedem aumento de 8,5% nos salários e benefícios. Já os aeroviários (responsáveis por serviços em terra, nos aeroportos) pedem melhores condições de trabalho e estabelecimento de um piso salarial para trabalhadores que fazem o check-in.

"Em muitos casos, acontece de voarmos seis madrugadas consecutivas. Pedimos uma restrição disso, uma parametrização de nossas escalas. A fadiga não é gerenciada hoje em dia, e isso afeta diretamente a qualidade do nosso trabalho e saúde. Número de folgas e segurança do voo são outras cláusulas sociais que pedimos e que seguem legislação em todo o mundo", disse ele.

Os aeronautas e aeroviários são funcionários das empresas aéreas brasileiras, como Gol, TAM, Azul e Avianca.


Últimas de _legado_Brasil