Por tamara.coimbra

Brasília - O governo federal confirmou a substituição de Graça Foster no comando da Petrobras. O Palácio do Planalto já informou à atual presidente da estatal que ela será substituída, mas não há informações sobre quem assumirá o cargo. O desgaste provocado pela crise recente na empresa deixou Foster em uma situação muito delicada. 

A divulgação, semana passada, de que a Petrobras deveria baixar seus ativos em R$ 88 bilhões devido a corrupção e ineficiência no planejamento e execução de projetos teria pesado na decisão da presidenta Dilma Rousseff.

Em outras ocasiões, a própria Graça Foster já havia pedido para sair da presidência. A presença da executiva era vista como uma proteção às diversas denúncias de corrupção na Petrobras. De acordo com informações, a presidenta da estatal estaria sob forte pressão emocional devido ao caso.

As ações da Petrobras registraram um aumento significativo às 14h, com as ações da empresa subindo mais de 10%, sendo as ações ordinárias em alta de 10,5% e as preferênciais de 10,74%. O índice registrou um patamar maior às 14h10, quando a valorização ultrapassava a marca de 12%, com aumento de 11,67% das ações ordinárias e 12,12% das ações preferênciais.

Segundo informações, Graça Foster estaria sob forte pressão emocional devido ao caso da PetrobrasAgência Brasil


Para compor o Conselho de Administração da estatal, o presidente do Banco Central Alexandre Tombini e os ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, foram incumbidos de buscar nomes no mercado.

O ministro da Fazenda Joaquim Levy esteve pessoalmente em São Paulo, nesta segunda-feira, averiguando os nomes para ocupar o posto, mas ainda não há nenhum nome indicado para a substituição da presidência na estatal.

Também contribui para a valorização  da estatal no mercado a recuperação do preço do petróleo. Além disso, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta favorecida pelo lucro do banco Itaú Unibanco, que tem alta de 2,70%.


Você pode gostar