Por tiago.frederico
Perfil falso em rede social dizia que curtia sexo sem camisinhaReprodução

Brasília - Durante três semanas, Alana, Nathalia e Pedro ofereceram "sexo sem frescura, sem limites" aos usuários do Tinder, uma rede social para plataformas móveis que promove encontros. A oferta de sexo sem camisinha foi uma iniciativa do Ministério da Saúde. Depois que o usuário do aplicativo aceitava conhecer um dos três perfis falsos criados pelo ministério, eles recebiam a seguinte mensagem: "É difícil saber quem tem HIV. Se divirta, se proteja".

Embora 93% da população da região Sudeste soubessem, em 2013, que a camisinha é a melhor forma de prevenir as doenças sexualmente transmissíveis, 46% da população ativa sexualmente da região não usaram o preservativo em todas as relações sexuais dos doze meses anteriores, de acordo com a Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas na População Brasileira (PCAP), que ouviu 12 mil pessoas de 15 a 64 anos, em todo o país.

O índice de pessoas que, no Brasil, usaram camisinha em todas as relações sexuais, segundo a pesquisa, subiu de 48% para 54% entre 2004 e 2013, mesmo com 94% da população sabendo que o dispositivo é a melhor forma de prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e Aids. A pesquisa levou o ministro da Saúde, Arthur Chioro, a afirmar que é necessário campanhas de testagem para combater a epidemia de HIV.

Campanha do Ministério da Justiça gera revolta em rede social

Para ampliar o combate à doença, o ministro da Saúde defendeu campanhas de testagem, para que pessoas já soropositivas descubram que têm o vírus e iniciem imediatamente o tratamento, que, se realizado corretamente, pode fazer com que a presença do vírus seja reduzida a um patamar que deixa de ser transmissível.

Com informações da Agência Brasil.

Você pode gostar