ANP diz que Petrobras responderá por causas de explosão em petroleira

Segundo a autarquia, foi aberto um processo administrativo de investigação para verificar as causas do incidente

Por O Dia

Espirito Santo - A Petrobras, como operadora dos campos Camarupim e Camarupim Norte, é a responsável por responder pelas ocorrências na área, assim como pela explosão da plataforma Cidade de São Mateus, no Espírito Santo, afretada pela estatal da norueguesa BW Offshore, afirmou ANA (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), por meio de sua assessoria de imprensa.

Segundo a autarquia, foi aberto um processo administrativo de investigação para verificar as causas do incidente.

Leia mais:

Descontente com esclarecimentos da Petrobras, Planalto responsabiliza BW

Mais dois corpos são encontrados após explosão em plataforma da Petrobras

Mais dois corpos são encontrados após explosão em plataforma da Petrobras

Vítimas

As quatro pessoas que ainda estão desaparecidas estão na área mais afetada pela explosão, segundo informações de Benito Ciriza, vice-presidente de projetos de modificação da BW Offshore.

O número de mortos subiu para cinco. Entre elas está um estrangeiro de nacionalidade não divulgada. "Os nomes, tanto dos sobreviventes quanto dos mortos, não serão divulgados por hora por respeito às vítimas e às famílias", afirmou Ciriza.

O cirurgião geral Claudio Pinheiros, diretor clínico do Vitória Apart Hospital, disse que, por eles terem recebido atendimento rápido, as chances deles se recuperarem aumenta em um terço, mas ainda não é possível falar sobre alta dos feridos que estão na UTI.

Vítimas de explosão no navio plataforma FPSO Cidade de São Mateus da Petrobras são esgatadas%2C no Espírito SantoReuters

Alto risco

Segundo o inspetor de equipamento Gerson Pistori, especialista em segurança de plataformas, que presta serviços para Petrobras há 13 anos, o navio-plataforma FPSO Cidade de São Mateus era classificado como um local de alto-risco por operar com gás. Ele acredita que o mais provável é que o acidente tenha ocorrido em uma área restrita da plataforma.

"As plataformas são todas setorizadas, poucas pessoas têm acesso a área da casa de bombas. O grosso do pessoal deveria estar em uma área longe do acidente, já que estão conseguindo fazer resgate aéreo e por baleeiro (navio específico para resgates em alto mar)", afirma.

Últimas de _legado_Brasil