Por bferreira

Brasília - Em depoimento dado à força-tarefa da Operação Lava Jato, o doleiro Alberto Youssef afirmou que os ex-ministros José Dirceu e Antônio Palocci eram “as ligações” do lobista e operador de propina na Petrobrás Julio Gerin Camargo com o PT. Segundo Youssef, o nome de Dirceu consta no registro de contabilidade de propina com a rubrica “Bob” – uma suposta referência ao apelido de um ex-assessor do ex-ministro da Casa Civil.

“Julio Camargo possuía ligações com o Partido dos Trabalhadores, notadamente com José Dirceu e Antonio Palocci”, afirmou Youssef. Dirceu cumpre pena, em prisão domiciliar, por participação no escândalo do mensalão. O doleiro afirmou ainda não sabe sobre valores que teriam sido repassados a Dirceu, mas contou que o ex-ministro, depois de deixar o governo Lula, utilizou o jato Citation Excel que pertence ao lobista Julio Camargo.

Em nota, o ex-ministro disse que as declarações do doleiro são “mentirosas”. “O ex-ministro José Dirceu repudia, com veemência, as declarações do doleiro Alberto Youssef de que teria recebido recursos ilícitos do empresário Julio Camargo, da Toyo Setal, ou de qualquer outra empresa investigada pela Operação Lava Jato”, diz a nota.

No depoimento prestado em caráter sigiloso em 10 de outubro do anos passado, Youssef também afirmou que o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci tinha “ligações” com um dos empresários que confessou ter pago propinas a funcionários da Petrobras.

Você pode gostar