Médica acusa secretário de Saúde de crime de racismo

Profissional registra queixa após ouvir que seu cabelo, com dreadlock, cheira mal

Por O Dia

Paraná - A médica Thatiane Santos da Silva, de 30 anos, registrou queixa de crime de racismo contra a secretária de Saúde do município de Santa Helena, no Paraná, Terezinha Madalena Bottega Segundo a profissional, que é negra e chegou à cidade como participante do programa Mais Médicos, do governo federal, a secretária comentou que seu cabelo, em estilo dreadlock, tinha mau cheiro e que os moradores da cidade, a maioria de ascendência italiana ou alemã, não estariam acostumados com seu “padrão”.

A secretária confirmou o comentário, mas negou a conotação racista. Segundo Terezinha, seu objetivo foi advertir à médica sobre a reação que poderia haver a seu visual e que havia risco de ser vítima de preconceito.

Mas Thatiane, que é gaúcha e se formou em 2012 em Cuba, considerou o comentário racista e registrou a queixa. O caso está sendo investigado também pelo Ministério da Saúde, que ameaça até excluir o município do programa Mais Médicos.

O ministério já notificou a prefeitura e fixou em cinco dias o prazo para que a acusação seja esclarecida. Além disso, divulgou nota repudiando o racismo e colocando à disposição o número 136, do Disque Saúde, para receber denúncias.

À ‘Folha de S.Paulo’, o prefeito de Santa Helena, Jucerlei Sotoriva (PP), também negou que tenha havido crime de racismo. Segundo ele, o comentário da secretária teve como intensão apenas “proteger a médica”.

Últimas de _legado_Brasil