Por clarissa.sardenberg

Brasília - O ex-integrante do Comitê de Auditoria da Petrobras Mauro Cunha disse nesta terça-feira à sub-relatoria de Superfaturamento e Gestão Temerária na Construção de Refinarias da CPI da Petrobras que o prejuízo da estatal foi maior que o apontado no último balanço divulgado pela empresa. Cunha fez críticas ao modelo de acompanhamento de custos das obras das refinarias.

O ex-conselheiro da estatal afirmou que “aparentemente” não houve pagamento de propina. “Esse valor [apontado no relatório] foi calculado com base no depoimento do ex-diretor Paulo Roberto Costa que disse que a propina representava 3% dos valores dos contratos. Corremos o risco de estar buscando valores inferiores aos prejuízos”, destacou Mauro Cunha.

Ex-integrante do Comitê de Auditoria da Petrobras Mauro Cunha Agência Brasil

Ele disse que recusou a aprovação do balanço financeiro da Petrobras a partir da negativa ao seu pedido de acesso a documentos que ajudariam na análise dos números. O ex-conselheiro foi afastado logo em seguida.

No depoimento à CPI, ele destacou a decisão da estatal de adiar investimentos no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e na Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Perguntado sobre suspeitas de corrupção, ele ressaltou que “o que chamava a atenção eram os valores, que superavam em muito todas as métricas internacionais. Acrescentou que “a corrupção foi uma consequência desse problema”.

Mauro Cunha criticou o pagamento de participação nos lucros aos servidores da estatal. “Os funcionários não podem receber mais que 25% dos dividendos pagos aos acionistas. E, no ano passado, os acionistas não receberam nada”.

Você pode gostar