São Paulo terá plano de contingência para evitar mortes de moradores de rua

População de rua está sujeita a risco de morte por choque térmico, em razão de sua fragilidade nutricional e de saúde

Por O Dia

São Paulo - Para evitar mortes de moradores de rua por causa do frio, a prefeitura de São Paulo criou um comitê permanente para elaborar anualmente um plano de contingência para minimizar os impactos das baixas temperaturas. De acordo com o decreto de criação do grupo, publicado no Diário Oficial de sábado, essa população está sujeita a risco de morte por choque térmico, em razão de sua fragilidade nutricional e de saúde.

O Censo 2015 da População em Situação de Rua, divulgado sexta-feira, indica que 15.905 pessoas vivem nessa condição na capital paulista. Desse total, 8.570 são atendidas pelos serviços de acolhimento do governo municipal e, portanto, passam a noite em abrigos.

Embora o decreto defina que o plano seja publicado até o fim de abril, nesse primeiro ano de vigência ele deve ser apresentado apenas nas próximas semanas, segundo informações da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (Smads). Também comporão o comitê representantes das subprefeituras, Secretaria de Saúde, Guarda Civil, Centro de Gerenciamento de Emergências, Companhia de Engenharia de Tráfego e Secretaria de Direitos Humanos.