Diretor da Petrobras diz que acionistas têm razão de estarem insatisfeitos

Apesar do resultado negativo da empresa, Hugo Repsold Júnior disse que acredita na recuperação da companhia

Por O Dia

São Paulo - O diretor de Gás e Energia da Petrobras, Hugo Repsold Júnior, disse nesta quinta-feira que os acionistas da empresa têm razão em estarem insatisfeitos com os resultados da companhia. “Os nossos acionistas têm razão de não estarem muito felizes com a gente”, disse ao explicar a situação da empresa em um seminário promovido pela revista Carta Capital.

“Esse tombo nos preços [do petróleo], junto com os projetos [trouxe prejuízos]. A gente fez essas refinarias e a produção não veio. A gente tinha uma expectativa de aumento da produção e a geração de caixa seria maior”, explicou sobre os resultados do último ano.

Apesar do resultado negativo da empresa, o diretor de gás e energia da Petrobras, Hugo Repsold Júnior, disse que a companhia tem todas as condições de se recuperarAgência Brasil

O balanço da estatal indicou que o resultado líquido de 2014 ficou negativo em R$ 21,6 bilhões. Estão incluídos nesse cálculo os R$ 6,2 bilhões de perdas estimadas com a corrupção na petroleira. A desvalorização dos ativos da empresa chegou a R$ 44,6 bilhões.

Repsold atribuiu as perdas ao volume excessivo de investimentos nos últimos anos, que acabou fazendo com que a empresa se arriscasse mais do que o necessário. “Obviamente, não era para ter acontecido. Em um ritmo mais adequado a gente teria superado a barra”, admitiu.

Apesar dos problemas, o diretor disse que a companhia tem todas as condições de se recuperar das perdas. “Essa empresa não tem um problema operacional ou técnico. A produtividade dos empregados da Petrobras é cada vez maior”, ressaltou.

Para reduzir o endividamento, Repsold disse que a empresa deverá se desfazer de US$ 10 bilhões de ativos em 2016. “Ninguém pode viver com esse grau de alavancagem e endividamento crescente”, justificou. Os investimentos para o próximo ano estão estimados em US$ 25 bilhões. “A gente amadureceu em várias áreas e a gente pode agora buscar mais rentabilidade, liquidez e caixa. Substituindo alguns ativos, por outros que gerem mais caixa”, acrescentou.

Últimas de _legado_Brasil