Por bferreira

Paraná - O Justiça Federal no Paraná condenou ontem cinco executivos da empreiteira OAS por corrupção, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa.

Atacado ontem por Collor, Janot foi o mais votado para procuradorSTF

O presidente da OAS, José Aldemário Pinheiro Filho — o Leo Pinheiro —, foi condenado a uma pena de 16 anos e 4 meses de reclusão, assim como o Agenor Franklin Magalhães Medeiros, que era diretor da área internacional da empreiteira. Os dois deixaram o cargo durante as investigações da Lava Jato.

Dois ex-executivos da empresa, José Ricardo Nogueira Breghirolli e Mateus Coutinho, receberam pena menor, de 11 anos de prisão. O funcionário Fernando Augusto Stremel Andrade foi condenado a quatro anos de prisão em regime aberto, por ter apenas cumprido ordens superiores, e teve sua pena substituída por prestação de serviços à comunidade.

O advogado dos executivos da OAS, Edward Carvalho, afirmou que vai recorrer da sentença e que não esperava nada diferente do juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato.

COLLOR

Acusado de receber R$ 26 milhões em propinas, o senador e ex-presidente da República Fernando Collor (PTB-AL) acusou ontem o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de orquestrar contra ele “uma sórdida estratégia midiática” para transformá-lo em personagem “involuntário” da disputa pela recondução ao cargo. Collor disse que Janot apreendeu seus carros, adquiridos “de forma legítima”, para fazer um “espetáculo midiático”.

“Que humilhação vem me impondo essa alcateia que se apoderou do Ministério Público Federal”, disse Collor, em discurso na tribuna do Senado. “Querem me trazer como personagem, embora involuntário de minha parte, de uma campanha eleitoral que está se desenrolando e será concluída hoje”, afirmou.

Janot é o mais votado

Candidato à reeleição, Rodrigo Janot foi o mais votado na eleição para definir a lista de três candidatos a comandar a Procuradoria-Geral da República a ser apresentada à presidenta Dilma Rousseff. Ele teve 799 votos. Em segundo lugar ficou o subprocurador Mário Bonsaglia, com 462 votos, seguido pelos subprocuradores Raquel Dodge (402 votos) e Carlos Frederico (212).

Agora, a presidenta Dilma irá indicar um dos nomes da lista tríplice. O mais provável é que a escolha recaia sobre Janot, que foi o mais votado. Mas um grupo de senadores suspeito de envolvimento na Lava Jato está se movimentando para barrar uma eventual recondução Janot. Depois de sabatinado, a indicação precisa ser aprovada em votação secreta no plenário do Senado.

Você pode gostar