Coluna Esplanada: Empresário pede ajuda a ex-governador para libertar filho

Marcelo Odebrecht está trancafiado num presídio de Curitiba, alvo da Operação Lava Jato

Por O Dia

Rio - Num dia da última semana de julho um jatinho rasgou o céu da Fazenda Estrela, em Canarana, no Mato Grosso, e aterrissou na pista da propriedade. A bordo, o empresário Emílio Odebrecht, fundador do maior grupo empresarial do país. Foi recebido pelo dono da fazenda, Iris Rezende, ex-governador de Goiás. Emílio foi pedir ajuda para a libertação do seu filho, Marcelo Odebrecht, trancafiado num presídio de Curitiba, alvo da Operação Lava Jato. Soube que Iris é padrinho da ministra Laurita Vaz, do STJ, Corte onde repousa o habeas corpus impetrado dias antes da visita. Tudo em vão.

Nem atendeu
Iris tentou contato com a ministra do STJ através de amigo próximo, mas Laurita Vaz não quis conversa. O HC está sob análise da Quinta Turma, da qual ela faz parte.

Turbina silenciosa
Questionado, Iris desconversou. A assessoria de Odebrecht nega e diz ser especulação, e a do STJ não comenta casos envolvendo ministros. A coluna mantém a versão.

O ‘não’ de Levy
Um episódio constrangedor para o vice-presidente Michel Temer, na última quarta-feira, revela o poder dos empresários de transporte coletivo e o esforço descomunal do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, pelo ajuste fiscal. Em viva voz, Levy disse um baita ‘não’ a um pedido de Temer, que recebia 10 senadores no Palácio do Jaburu.

Vermelho de raiva
A demanda era para o governo manter a desoneração da folha de pagamento para transportes. Temer ligou na hora para Levy, e ouviu o ‘fora’. Constrangido, o vice desligou e afirmou que enviaria uma MP de desoneração do setor para a Câmara.

Perdeu, Levy
Não foi preciso. O Senado aprovou a proposta da Câmara, mantendo a desoneração para o setor. Os senadores, pressionados pelos donos de empresas de ônibus, alegam que a oneração da folha pode aumentar o preço da passagem. Puro ‘terrorismo’.

Crise erudita
A presidenta Dilma está com o inglês afinado. Foi na língua de Obama que recebeu a chanceler alemã Angela Merkel. Nas poucas distrações, Dilma estuda e ouve música clássica.

Mais uma
Com dinheiro doado por Merkel — uns 50 milhões de euros — o governo pretende criar a Secretaria Especial de Florestas, sob tutela do Ibama.

Tensão na carteira
Pedro Paulo Leoni, ex-ministro do agora senador Collor e também denunciado na lista do PGR Janot, cuida de um milionário fundo de investimentos de empresários paulistas.

Vem reintegração aí
O Ministério da Justiça revela à coluna um balanço surpreendente sobre a invasão de condomínios do Minha Casa Minha Vida. Já são 204 denúncias em apuração em 14 estados. Muitas delas do Estado do Rio, onde haverá mais operações de reintegração.

Diagnóstico
As denúncias são do Rio, Bahia, Minas, São Paulo, Paraná, Maranhão, Santa Catarina, Pará, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Piauí, Acre, Ceará e Paraíba. Um grupo interministerial trabalha em interface com as secretarias de Segurança dos estados, ‘em especial no Rio, onde já há investigações e operações capitaneadas através da Draco’.

Voldemort Shopp
Alguns membros da CPI dos Fundos de Pensão estudam fazer devassa nos investimentos nos shoppings. O Refer, dos funcionários da Rede Ferroviária Federal, tem dinheiro no setor. O Fundo já teve ingerência do apenado Valdemar da Costa, dono do PR, apelidado no Congresso de Voldemort.

Leandro Mazzini com equipe DF, SP e Nordeste

Últimas de _legado_Brasil