Campanha de Dilma é investigada

Gilmar Mendes vê indícios de irregularidades no pagamento de R$ 1,6 milhão a empresa

Por O Dia

Brasília - Por determinação do vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, o Ministério Público do Estado de São Paulo vai investigar uma empresa que recebeu R$ 1,6 milhão durante a campanha à reeleição da presidenta Dilma Rousseff, em 2014. A suspeita é de que a empresa seja fantasma e não tenha prestado os serviços referentes ao pagamento.

Segundo dados encaminhados pela Secretaria de Fazenda de São Paulo, a pedido do TSE, a empresa Angela Maria do Nascimento Sorocaba-ME foi aberta em agosto de 2014 e, em um mês, emitiu notas fiscais eletrônicas no valor de R$ 3,7 milhões, sem o pagamento de impostos. Do total, 1,6 milhão foram emitidos em nome da campanha de Dilma.

Em seu despacho, Gilmar Mendes observou que a empresa “não apresentou registro de entrada de materiais, produtos ou serviços” e que não foi encontrada no endereço.

SITUAÇÃO MARAVILHOSA

Ao lado do governador Geraldo Alckmin (PSDB), Dilma pediu apoio do povo paulista, disse que a crise na economia é internacional e que é inaceitável que “se torça para o pior acontecer”. Mais cedo, em entrevista a rádios de Catanduva, no interior paulista, a presidenta afirmou que o Brasil continuará a enfrentar dificuldades no ano que vem e que a situação econômica “muito provavelmente” não será “maravilhosa” em 2016. Segundo ela, porém, o governo federal está tomando medidas para que o país volte a crescer e a gerar oportunidades “para todos os brasileiros”.

“Não tenho como garantir que a situação em 2016 será maravilhosa. Muito provavelmente não será. Mas também não será a dificuldade extrema que muitos pintam”, disse Dilma.

Últimas de _legado_Brasil