Mulher é presa acusada de comprar bebê por R$ 2,5 mil

Suspeita responderá pelos crimes de falsidade ideológica e por ter comprado uma criança

Por O Dia

Goiás - Uma mãe biológica vendeu seu filho para uma desconhecida, e esta outra mulher tentou registrar a criança em outra cidade. Parece história de novela, mas esse caso ocorreu em Minaçu, no norte de Goiás. Dian Carla Batista, de 29 anos, foi presa nesta quarta-feira acusada de comprar um bebê, ainda com oito meses de vida, por R$ 2,5 mil.

Acusada de comprar criança foi presa em Goiás nesta quarta-feiraDivulgação Polícia Civil

Segundo o delegado responsável pelo caso, Rhaniel de Almeida Pires, os agentes chegaram até a mulher após uma denúncia de médicos de um hospital da cidade. Ele afirmou que Dian chegou à unidade de saúde para fazer exames de rotina no recém-nascido, mas não tinha nenhum documento que comprovasse a identidade do bebê. 

"Ela chegou ao hospital contando uma história sem sentido algum. Disse que teve a criança no meio do caminho e ainda não tinha dado tempo de ela verificar o estado de saúde do bebê. Então os enfermeiros logo desconfiaram", contou o delegado.

Os médicos denunciaram a suspeita à polícia, mesmo depois de ela ter ido embora. Dian chegou a ir à Secretaria Municipal de Saúde de Minaçu em busca de uma consulta para o pequeno. Mas os profissionais também desconfiaram e ligaram imediatamente para a Polícia Civil. Ao chegar no local, os agentes encontraram diversos comprovantes bancários com a mulher, além de uma certidão emitida pelo hospital onde a criança nasceu, mas com o nome de outra mãe.

Rhaniel contou que a suspeita foi presa em flagrante e responderá pelo crime de falsidade ideológica, por ter se passado por mãe do neném. Além disso, ela será enquadrada no artigo 81 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o qual ressalta que é proibida a venda e compra de crianças.

Já o recém-nascido foi encaminhado para o Conselho Tutelar da cidade. "Estamos procurando agora a mãe biológica desta criança e vamos investigar se o dinheiro foi repassado por essa outra mulher. Já sabemos que ela é de Pernambuco", destacou Rhainel.

Reportagem de Gabriela Mattos


Últimas de _legado_Brasil