Empresário recebe 'vale-caixão' como pagamento de dívida

'Eu tive que aceitar se não ia ficar no prejuízo', disse Madson Cameli, de 29 anos

Por O Dia

Acre - A forma mais comum de receber o pagamento de uma dívida seria em dinheiro, mas não para um empresário de Cruzeiro do Sul, no interior do Acre. Ele foi surpreendido, nesta terça-feira, com um "vale-caixão" do devedor. Segundo Madson Cameli, de 29 anos, que é proprietário de uma livraria no município, o caso inusitado aconteceu após o carro do dono de uma funerária bater na moto de um dos seus funcionários. Ele conta que o proprietário da empresa concordou em arcar com todos os prejuízos do acidente e pediu que ele fizesse o orçamento do conserto.

'Vale-Caixão' enviado ao empresário Madson Cameli%2C do Acre%2C para pagar uma dívida de acidente de trânsitoWhatsApp O DIA (98762-8248)

Madson Cameli estava com uma viagem marcada e pediu para que o seu motoboy entregasse o orçamento que foi feito das peças danificadas no valor de R$ 2.196,00 ao dono da funerária. Mas, para sua surpresa, quando estava embarcando no avião, o funcionário ligou e avisou que, como pagamento da dívida, o dono da funerária ofereceu um "vale-caixão" de R$ 2 mil extensivo para família e empresa.

"Meu motoboy me ligou e disse que ele (o dono da funerária) ofereceu o valor de R$ 200 em dinheiro mais um serviço funerário na hora que eu estava embarcando no avião. Pedi ao meu funcionário para não aceitar e esperar eu voltar", disse o empresário, em entrevista ao DIA?.

Cameli conta ainda que, ao retornar da viagem, foi até a funerária cobrar uma justificativa sobre a forma de pagamento da dívida. No entanto, saiu de lá até sem o valor da entrada. "Ele disse que estava vendendo poucos caixões por causa da crise e nem os R$ 200 tinha mais. Só tinha o caixão mesmo", afirmou o dono da livraria.

Diante da situação, o empresário não teve outra opção, pois já sabia que o dono da funerária não teria dinheiro para pagar o serviço. "Eu tive que aceitar se não ia ficar no prejuízo. Ele tem vários caixões e pedi para o meu funcionário pegar logo o mais caro", finalizou.

Reportagem de Fernanda Macedo

Últimas de _legado_Brasil