Por felipe.martins
Publicado 17/12/2015 01:11 | Atualizado 17/12/2015 02:34

Minas Gerais - O vídeo do flagrante de adultério na entrada de um motel, em Belo Horizonte, Minas Gerais, se popularizou na internet, foi a notícia mais comentada nas ruas do Rio e reacendeu a discussão sobre os limites (ou a falta de) nas redes sociais.

Além do flagrante%2C o vídeo mostra também cenas em que o marido traído agride fisicamente a esposaReprodução Internet

Nas imagens, um furioso marido traído quebra os vidros do carro do ‘Ricardão’ a socos, pontapés e golpes de chave de roda. Um amigo, chamado por ele ao local do fato, filmou toda a ação. O drama é de causar inveja ao escritor Nelson Rodrigues, que se notabilizou por descrever as mazelas sociais, na série de crônicas ‘A Vida Como Ela É’. O marido enganado, completamente perturbado com a situação, questionava a esposa. “Vai fazer a unha, né? Está pensando que eu sou trouxa?”, enquanto destruía o automóvel. Ele também agrediu a mulher.

Em certo momento, o homem que grava a confusão, pergunta ao traidor o que ele fazia no motel com a mulher do amigo. “A gente veio conversar”, respondeu na maior desfaçatez. O caso virou o assunto do momento na rede, sendo visualizado, comentado e compartilhado por centenas de milhares de internautas. Para o professor Carlos D’Andrea, especialista em mídia social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), há um certo componente de machismo da sociedade no compartilhamento de vídeos como esse.

“É uma espécie de esforço moralizador”, avaliou o professor. Para D’Andrea, o fato de o próprio marido expor o caso na rede foi a forma que ele encontrou para punir a mulher. “A humilhação pública é o castigo. Ele também vira motivo de chacota, mas na condição de vítima”, destacou.

Para o advogado carioca José Guilherme da Costa de Almeida, por mais que a sociedade condene a postura da mulher, ela não cometeu nenhum crime. O marido traído, sim. “Infringiu a Lei Maria da Penha, ao agredir a mulher, e ainda tem crime de dano, porque quebrou o carro do amante.”

Quem ficou bem na fita foi o amante. Surgiram vários “memes” na rede em homenagem ao “gordinho gostoso”. Ao analisar a atitude do marido traído, o especialista na arte de ser enganado por mulher, Luiz Cláudio Osório, sócio do Clube dos Cornos, de Niterói, disse acreditar que “ele seja chifrudo de primeira viagem”.

Luiz Cláudio Osório aposta que o seu colega mineiro já se reconciliou com a esposa. “Chifre é igual dentadura: demora mas acostuma”, filosofou Osório.

Disse que ia à manicure e foi ao motel

Flagrante de adultério é algo que todo mundo ouve falar, mas poucos têm a oportunidade de testemunhar. Além das imagens, os diálogos do vídeo também causaram sensação entre os internautas. Em determinado momento, o homem que gravava a confusão fez uma pergunta absurda à mulher flagrada. “O que você veio fazer aqui no motel?” A mulher optou por não responder, se limitou a gesticular com a mão para que ele parasse de gravar.

Enquanto descontava sua raiva no carro do rival, o marido traído questionava a estratégia dos amantes para os encontros. O álibi da mulher era a manicure. “Vai fazer a unha, né? Estão pensando que eu sou trouxa?”
“Chama a polícia. Vamos registrar ocorrência”, bradou o traído, no que a mulher flagrada rebateu “fazer ocorrência de quê?”

Todos os envolvidos eram muito amigos. Eles planejavam, inclusive, passar o Natal juntos. Entretanto, o relacionamento extraconjugal não era coisa recente. “Vi as conversas de vocês no Whats Up”, revelou o marido enganado. O homem que filmava estava tão decepcionado quanto o traído. “Tanta piranha na rua, logo a mulher do teu amigo? Que papelão!”

Reportagem de Wilson Aquino

Você pode gostar