Por fernanda.macedo
Publicado 22/12/2015 12:08 | Atualizado 22/12/2015 23:20

São Paulo - Equipes do Corpo de Bombeiros permanecem há 17 horas no Museu da Língua Portuguesa, no centro da capital paulista, fazendo o rescaldo dos últimos focos do incêndio que destruiu nesta segunda-feira parte do prédio histórico. Um brigadista do museu, Ronaldo Pereira da Cruz, morreu enquanto trabalhava no controle do fogo.

LEIA MAIS: Incêndio atinge Museu da Língua Portuguesa em São Paulo

Museu da Língua Portuguesa não tinha aval dos bombeiros para funcionar

O fechamento da Estação da Luz, anexa ao prédio incendiado, afeta nesta manhã duas linhas da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM): a 7 – Rubi, que opera apenas até a Estação Barra Funda, e a linha 11 – Coral, que funciona até o Brás.

A Defesa Civil informou que aguarda o fim dos trabalhos do Corpo de Bombeiros para iniciar a vistoria. Há a possibilidade de que um curto-circuito, provocado durante a troca de uma luminária, tenha iniciado o fogo. Essa hipótese foi levantada após relatos de funcionários. Apenas o laudo técnico, porém, poderá confirmar o que realmente causou as chamas.

“Foi citado que o incêndio iniciou-se na troca de uma luminária. Quando o funcionário voltou com a nova peça, já tinha dado um curto-circuito e o fogo já estava em um processo muito rápid[DE EXPANSÃO]o”, afirmou Milton Persoli, chefe da Defesa Civil municipal. Ele observou, no entanto, que essa informação só poderá ser confirmada após a conclusão dos laudos da perícia e investigação da Polícia Civil. Para Persoli, a ação da brigada de incêndio do próprio museu foi eficaz e garantiu a segurança dos funcionários durante a saída do prédio. Segundo o Corpo de Bombeiros, há risco de a estrutura que restou do telhado do museu desabar. A construção do terceiro piso, o mais afetado pelas chamas, está comprometida.

Àtarde, foi enterrado, na Zona Norte de São Paulo, Ronaldo Pereira da Cruz, de 39 anos, bombeiro civil morto durante incêndio no museu. Ele tentou combater as chamas e teve uma parada cardiorrespiratória.

Bombeiros fazem rescaldo de incêndio no Museu da Língua PortuguesaAgência Brasil

De acordo com o governo do estado, o acervo perdido do museu era virtual, assim será possível a sua recuperação. O edifício também será reconstruído. “Vamos reconstruir esse museu que traduz a alma do povo brasileiro, com o apoio da população do estado, do Brasil, com nossos parceiros da iniciativa privada”, declarou o governador Geraldo Alckmin.

“Nosso maior compromisso vai ser com todos os parceiros da sociedade civil, da área museológica brasileira. Começaremos o processo de restauração do museu para que ele possa ser reaberto o mais breve possível”, disse o secretário da Cultura, Marcelo Araújo.

Segundo a Secretaria Estadual da Cultura, o museu “atendia a todos os requisitos necessários para a segurança e circulação de visitantes e funcionários, e os procedimentos de segurança eram verificados periodicamente. Além disso, o prédio tem seguro contra incêndio da ordem de R$ 45 milhões”. 

Você pode gostar