Por bferreira

Bahia - Um dos principais santuários brasileiros de flora e fauna marinhos, o arquipélago de Abrolhos, no sul da Bahia, pode ter sido alcançado pela lama de rejeitos de mineiro que vazou da barragem da Samarco. A informação é da presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Marilene Ramos. Segundo ela, devido ao vento, a mancha que estava se espalhando no litoral sul do Espírito Santo também foi para o norte do estado, chegando ao sul da Bahia.

Segundo Marilene Ramos%2C do Ibama%2C a lama de rejeitos da Samarco pode ter chegado ao litoral sul da BahiaAgência Brasil

“Hoje (ontem) fizemos um sobrevoo na região das praias do sul da Bahia e do parque de Abrolhos e já registramos a presença de lama que, pelo aspecto visual, pela forma que foi avistada nesse sobrevoo, tudo indica que seja a própria mancha, bastante diluída, que está se estendendo ao longo do litoral do Espírito Santo”, disse Marilene.

Ela afirmou que a Samarco foi notificada para iniciar a coleta de amostras na região para conhecer a origem da mancha identificada no local. O resultado deve ser conhecido em cerca de dez dias. Mas, segundo Marilene, os técnicos que conhecem o local “tiveram praticamente certeza’ de que a lama visualizada é oriunda do desastre em Minas Gerais.

Para o presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Cláudio Maretti, “muito provavelmente” a lama em Abrolhos é oriunda do desastre de Mariana.

O rompimento da barragem da Samarco ocorreu há dois meses, e causou uma enxurrada de lama no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, na região Central de Minas Gerais. A lama chegou ao mar pelo Rio Doce, depois de ter passado por municípios mineiros e do Espírito Santo. A Samarco pertence à Vale e à anglo-australiana BHP Billiton.

Você pode gostar