Por fernanda.macedo
Publicado 13/01/2016 13:56 | Atualizado 14/01/2016 02:18

São Paulo - Mais uma vez as propagandas do O Boticário despertam polêmica nas redes sociais. Se em junho do ano passado, a empresa de cosméticos comprou briga com os mais conservadores ao mostrar casais homossexuais em suas lojas, desta vez a campanha é acusada de machismo.

O vídeo criado pela agência AlmapBBDO já ultrapassou os 5 milhões de visualizações no canal Youtube. O enredo começa com três mulheres, com aparência descuidada, falando sobre o fim de seus casamentos e, em seguida, seus ex-maridos comentam sobre a possível causa para a separação. Um deles relata: “Você se acostuma com um relógio, com anel, com carro”, comparando a um relacionamento.

Em seguida, O Boticário propõe ‘um dia de beleza’ para as mulheres antes de assinarem a papelada do divórcio. A peça publicitária termina com os homens estarrecidos ao olharem para suas ex-esposas maquiadas e com um ar confiante, quando aparece a seguinte mensagem: “Tudo pode acabar, menos a sua confiança”.

O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) registrou, até ontem, quatro denúncias contra o comercial ‘Linda ex’ e foi aberto um processo sobre o caso. Nas redes, as reclamações se espalharam. “Que vergonha, O Boticário! Depois de uma campanha linda, como a do Dia dos Namorados de 2015, vem com um lixo desses em que a ‘fêmea’ tem que estar bonita para seu ‘macho’, caso contrário o relacionamento não vai para a frente?”, questiona uma internauta.

“Parece que as mulheres são culpadas por deixarem a vaidade de lado. Por que não propor ao homem para dar um trato no visual também? Homens também ficam feios, descuidados e ninguém fala nada”, reclama a fundadora do movimento feminista Toplessinrio, Ana Paula Nogueira.

Marina Curak, coordenadora do grupo feminista Juntas!, que tem mais de 15 mil seguidores no Facebook, avalia que o comercial reforça o estereótipo de que “a mulher é responsável pelo sucesso ou fracasso do relacionamento”. “A mulher é muito mais do que beleza. Não precisa se maquiar ou ter um dia de beleza para ser confiante”, completou ela.

O Conar explicou que todas as denúncias alegavam que a publicidade tinha um caráter machista. Segundo o órgão, o processo, que foi aberto na segunda feira, passará por um julgamento do colegiado, previsto para fevereiro. A punição, caso a empresa seja condenada, pode ser a retirada do ar ou a alteração do comercial. O órgão informou que notificou a empresa, mas O Boticário respondeu que ainda não recebeu o processo.

A empresa afirmou que valoriza a atitude, a autoconfiança e o olhar positivo sobre a vida. “A proposta do filme é mostrar como as pessoas tornam-se mais seguras , confiantes e dispostas a despertar o que há de melhor em sua essência quando se sentem bonitas. Acreditamos que a beleza é um estímulo para recomeçar”, informou a empresa.


Campanha com casais homossexuais em junho

Em junho do ano passado, O Boticário lançou uma campanha para o Dia dos Namorados mostrando diferentes tipos de casais, entre eles, homossexuais. A propaganda virou alvo de protestos de consumidores mais conservadores, que chegaram a propor, nas redes, o boicote à marca.

Ao mesmo tempo, a maior parte do público apoiou e defendeu a ideia da empresa de cosméticos. No Youtube, foram mais de 3 milhões de visualizações do vídeo. Na página do canal, cerca de 387 mil pessoas aprovaram e outras 193 mil desaprovaram.

Na época, a companhia declarou que a proposta da campanha era abordar, com respeito e sensibilidade, as mais diferentes formas de amor, independente da idade, raça, gênero ou orientação sexual. Doutora em comunicação e pesquisadora de projetos feministas, Simone do Vale, afirma ter se surpreendido com o novo comercial da empresa. “Eles estavam desempenhando uma campanha maravilhosa, como a última deles do Dia dos Namorados. É necessário que eles entendam o público. A mulher tem que ser bonita sempre? Isso é um erro, achei a peça muito amarga”, finalizou a pesquisadora.

Reportagem das estagiárias Carolina Moura e Fernanda Macedo


Você pode gostar