Por lucas.cardoso
Acidente de helicóptero aconteceu em 13 de agosto de 2014Divulgação

São Paulo - A falta de capacitação da tripulação foi uma das causas da queda do avião que matou o ex-governador de Pernambuco e presidenciável Eduardo Campos na manhã de 13 de agosto de 2014.

A conclusão está no relatório apresentado nesta terça-feira por oficiais do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). Os cinco passageiros, o piloto e o copiloto morreram na tragédia.

Os técnicos informaram que os pilotos escolheram una rota de voo fora dos padrões previstos, o que colaborou para o desastre, de acordo com o relatório. Outro fator apontado é a formação da tripulação. Nem o piloto Marcos Martins nem o copiloto Geraldo Cunha tinham feito cursos para pilotar o Cessna 560 XL.

“A falta de conhecimento da tripulação pode ter feito com que as ações ficassem atrasadas em relação à sequência de eventos da cabine”, pontua o relatório.

Além de não ter feito o curso para operar a aeronave, os padrões de voz do copiloto gravados durante o voo demonstraram que ele aparentava fadiga e sonolência, assinala o relatório.

Os advogados dos pilotos informaram que vão contestar o relatório.

GALERIA: Candidato à Presidência, Eduardo Campos morre em queda de avião

Você pode gostar