Por thiago.antunes
Curitiba - Por terem o prazo da prisão temporária vencido, dois de quatro presos na fase Triplo X da Operação Lava-Jato, que ocorreu na semana passada, foram liberados neste domingo, em Curitiba (PR). Ricardo Honório Neto e Renata Pereira Brito, que são ligados à Mossack Fonseca, empresa especializada na abertura de offshore, deixaram ontem a cadeia. O Ministério Público Federal e a Polícia Federal não solicitaram prorrogação ou conversão da prisão em preventiva.
De acordo com os procuradores do caso, as prisões deles não seriam mais necessárias pelo fato de terem sido colhidas as provas de interesse para a investigação. No entanto, a publicitária Nelci Warken teve a prisão mantida pelo juiz Sérgio Moro, responsável pelo caso. Ela é investigada nessa etapa da operação a pedido do Ministério Público. De acordo com os procuradores, Nelci estaria tentando ocultar patrimônio o que seria motivo para a renovação da prisão.
Investigados da Lava Jato foram soltos por vencimento de prazoDivulgação

Os dois não podem deixar o país ou mudarem de endereço, sem a autorização da Justiça. E devem entregar o passaporte em 48 horas.  O Instituto Lula voltou a afirmou que o ex-presidente jamais foi dono de apartamento em Guarujá, litoral paulista, alvo de investigação do MP de São Paulo.

Publicidade
Em nota, acusa a imprensa, agentes públicos e a oposição de promover perseguição contra Lula. Segundo o instituo, Lula e a ex-primeira dana Marisa Letícia só estiveram no apartamento uma vez, quando avaliaram que não se adequava às necessidades da família.