Por clarissa.sardenberg
Rio Grande do Sul - A Polícia Civil do Rio Grande do Sul investiga o estupro e agressão a uma menina de cinco anos em Capão da Canoa. A criança desapareceu nesta segunda-feira e foi encontrada nesta terça, vagando sozinha pela rua Mané Leandro. Marco Aurélio Bitencourt, de 41 anos, foi preso pelo crime e de acordo com o delegado Leandro Antunes, em entrevista à "Rádio Gaúcha", nesta quarta-feira, uma mulher também estaria envolvida no caso.
O homem foi preso em casa, na Avenida Central da cidade, na noite desta terça-feira, mas antes tentou fugir pulando um muro e se feriu, segundo policiais. No local foi encontrado um celular contendo vídeos de relações sexuais com menores e fotos pornográficas e o aparelho foi encaminhado para perícia.
Homem levou menina que brincava perto de casa em bicicleta e depois a estuprou Reprodução TV/ RBS

A casa de Marco Aurélio para onde ele levou a criança, foi incendiada por populares inconformados com o abuso na madrugada desta quarta-feira. Pessoas ameaçaram invadir a delegacia de Capão, onde o suspeito prestava depoimento.

De acordo com o delegado, a mulher investigada por participação no crime encontrou o homem dormindo com a criança, retirou a menor do imóvel, a colocou em um carro e em seguida, a abandonou em uma via pública. Ele não forneceu mais informações, pois "falta um detalhe"para saber a relação dela com o suspeito.

Publicidade
O homem foi flagrado por câmeras de segurança colocando a menina na bicicleta que pedalava por volta das 18h desta segunda-feira. A polícia chegou a deter dois homens antes de encontrar o criminoso. Ele já tinha histórico de abusos de crianças. A sobrinha da ex-mulher do homem contou que foi abusada por ele quando tinha 11 anos.
Segundo a mãe da menina, ela brincava perto de casa quando o crime aconteceu. Em depoimento à polícia, a mulher informou que estava em casa e que o pai da criança está hospitalizado. A bicicleta usada por Marco Aurélio foi encontrada próxima à residência da família.
Publicidade
Após ser encontrada, a criança passou por exames médicos e foi levada pela Polícia Civil para reconhecer possíveis locais por onde teria passado com o sequestrador. Ela confirmou detalhes do local, como a cor das paredes do quarto para onde foi levada.
Em depoimento, Marco Aurélio negou o crime e disse ser doente e ter "problemas com álcool". A investigação está em andamento. O suspeito foi encaminhado para o Presídio de Osório e pode ser condenado pelos crimes de sequestro, agressão e estupro.
Publicidade