Por paulo.gomes
Rio - A principal feira de franquias do país ocorre na semana que vem em São Paulo, de quarta a sexta-feira. A 22ª edição da ABF Franchising Expo 2013 espera movimentar R$ 450 milhões em novos negócios. A expectativa é receber 62 mil visitantes. Serão 470 expositores, com 48 novos grupos interessados em abocanhar uma fatia do mercado, que encerrou o ano de 2012 com faturamento global de R$ 103 bilhões.
Com duas unidades do Spoleto e três da Koni, a empresária carioca Adriana Caldas considera positivo reinvestir na expansão do próprio grupo: ‘É uma tendência que veio para ficar'Paulo Alvadia / Agência O Dia

“A feira funciona como uma grande vitrine para os novos candidatos a operadores. É uma ótima opção para conhecer novos negócios que surgem todos os anos”, ressalta Ricardo Camargo, diretor executivo da Associação Brasileira de Franchising (ABF).

Conforme levantamento anual da Rizzo Franchise, empresa de consultoria e pesquisa sobre franquias, em 2012 foram abertos 10.631 estabelecimentos de varejo — um crescimento de 6% em relação ao ano anterior. Em todo o país são 2.579 redes.
Publicidade
Nesse cenário, a grande tendência é a expansão dos multifraqueados, como a empresária Adriana Caldas, 38 anos, que possui duas unidades do Spoleto e do Koni.
Multifranqueados participam mais das grandes redes
Publicidade
Nutricionista por formação, a empresária Adriana Caldas comanda, ao lado do irmão Luiz Fernando, uma pequena empresa com cerca de 100 funcionários. Os dois fazem parte de um grupo que cresce a cada dia, os dos chamados multifranqueados: empresários que investem em mais de uma unidade de rede ou em franquias de segmentos diferentes.
“Estamos construindo uma minirrede dentro da rede. É uma estratégia de crescimento, que é boa para ambos os lados. Consolida a parceria entre o franqueador e o franqueado”, explica Adriana, que se prepara para abrir uma nova loja, desta vez no sistema ‘store in store’, ou seja duas marcas num mesmo local.
Publicidade
Com 300 metros quadrados, a nova unidade fica no Teleporto do Rio, na Cidade Nova, e terá as operações do Spoleto e do Koni.
Aos 33 anos, Rodrigo Freitas também já se considera um microempresário. Passados cinco anos da inauguração da primeira unidade da pizzaria Domino’s, no Município de Petrópolis, na Região Serrana, ele e o sócio Nilo Otero possuem cinco unidades da marca, sendo que uma tem a operação dividida também com o Spoleto.
Publicidade
“Tornar-se um multifranqueado facilita a negociação com o franqueador e, principalmente, com os prestadores de serviços. Além disso, podemos discutir melhor os lançamentos do grupo”, aponta Rodrigo, dizendo que a sua empresa já conta com cerca de 80 funcionários.
Tanto o empresário quanto Adriana fazem parte do sistema Trigo, rede de franquia que detém as marcas Spoleto, Domino’s Pizza e Koni. Hoje, já são mais de 400 restaurantes no país e no exterior e, ainda este, o grupo pretende inaugurar mais 104 novos pontos para as três marcas.
Publicidade
A projeção do sistema Trigo é alcançar o faturamento de R$ 665 milhões, o que equivale ao crescimento de 23,5% em relação a 2012. O grupo leva para a ABF 2013 novos modelos de negócios.
Empresários investem em outras unidades
Publicidade
Diretor da Francap, empresa que atua na gestão e expansão de redes de franquias, André Friedheim afirma que há hoje, no país, grandes empresários atuando apenas no setor de franqueados. “Existem pessoas que se identificam mais apenas gerindo um processo que já está consolidado”, explica.
Segundo ele, não há uma norma, mas existem aqueles que investem em unidades da mesma rede e outros que preferem ter unidades de vários segmentos, mesclando, por exemplo, varejo e alimentação. “As facilidades para um multifranqueado são maiores, pois ele negocia melhor com o franqueador, além de ganhar escala com os fornecedores”, diz.
Publicidade
Franqueadora master, com mais de 100 unidades da rede MegaMatte, Fátima Rocha assegura que a tendência de multifranqueados chegou para ficar. De acordo com ela, para o franqueador é muito melhor operar com um grupo menor de franqueados do que dezenas de pequenos investidores. “Com certeza é muito melhor. Nós mesmo, na MegaMatte, temos um comitê composto por 10% dos integrantes da rede, que discutem as estratégias do grupo”, aponta Fátima.
Para a empresária, a experiência de cada franqueador dá uma abrangência maior nas tomadas de decisões de toda a rede.
Publicidade
Oportunidade para todos os públicos
Presidente da Associação Brasileira de Franchising, seção Rio (ABF-Rio), o empresário Beto Filho diz que a Expo 2013 é a grande vitrine para fazer negócios e para quem deseja empreender. Segundo ele, o sistema de franquias, passados 25 anos, apresenta alto nível de amadurecimento.
Publicidade
“Há negócios para todos os tipos de públicos e investimentos. Hoje existem franquias em todos os segmentos da economia, principalmente no setor de serviços como hospitais, hotéis, imobiliárias, escolas”, diz Beto Filho, lembrando que haverá palestras sobre franquias.