Energia mais cara na Serra

Aneel aprova reajuste nas tarifas de até 16,44% para os moradores de Nova Friburgo

Por O Dia

Rio - Cerca de 94 mil consumidores do município de Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio, vão pagar mais pelo consumo de energia a partir dia próximo dia 18. É que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou ontem, em reunião semanal da diretoria, o reajuste médio de 15,42% nas tarifas para clientes das distribuidoras Energisa, em Nova Friburgo, e Energia Minas Gerais.

Segundo o processo aprovado pela agência, do total de 17,17% de reajuste aprovado, apenas 15,42% será aplicado sobre as tarifas dos consumidores, por conta da dedução de 1,75%, em valores financeiros aplicados no ano anterior. Consumidores conectados em baixa tensão terão reajuste médio de 15,13%, enquanto os clientes em alta e média tensão terão tarifas reajustadas em 16,44%.

De acordo com a Energisa, o reajuste foi impactado pelo custo da compra de energia. A empresa afirmou que adquire energia elétrica da distribuidora Ampla, que teve o preço de compra ajustado em quase 27%, contribuindo para o maior impacto no índice. A parcela que trata da remuneração da Energisa pela prestação dos serviços de distribuição teria participado com 2,62% para o total.

Em comunicado, a empresa destacou, ainda, que o atual aumento nas tarifas tem caráter conjuntural, e não estrutural, e foi causado em grande parte pela necessidade de utilização de usinas termelétricas pelo sistema.

Conforme a Aneel, os reajustem refletem, dentre outros fatores, a variação do IGP-M (índice previsto no contrato de concessão para mensurar a inflação no período), o aumento do custo dos Encargos de Serviços do Sistema (ESS), além dos gastos que as distribuidoras tiveram com compra de energia.

Em janeiro deste ano, em consequência de medidas adotadas pelo governo federal para baratear o custo da energia elétrica, os clientes em baixa tensão tiveram queda média na tarifa de 18,08%, enquanto os consumidores em alta e média tensão foram beneficiados com redução de 21,39% nas tarifas.

Últimas de _legado_Economia