Idoso quer Viagra na cesta de remédio da farmácia popular

Aposentado reivindica lista maior de medicamentos com preços mais baixos ou gratuitos

Por O Dia

Rio - Os idosos querem incluir na cesta básica de medicamentos do programa Farmácia Popular mais opões de remédios, entre eles Viagra e Cialis. As composições são receitadas por médicos em casos de disfunção erétil. Os aposentados reivindicam que eles passem a compor a lista de fármacos com preço baixo ou que são distribuídos gratuitamente por estabelecimentos credenciados pelo governo, mediante apresentação da receita.

“Gasto um salário mínimo com remédios%2C principalmente com Viagra”%2C diz LeonideAgência O Dia

A ampliação dos tipos de remédios foi definida em reunião entre representantes das centrais sindicais e de sindicatos de aposentados. A lista será apresentada até amanhã ao governo federal. A decisão de que os remédios serão gratuitos ou terão preço menor será do conselho gestor do programa.

Segundo o assessor de Saúde do Sindicato Nacional dos Aposentados, da Força Sindical, o médico Diógenes Sandim, a proposta é acrescentar mais 30 patologias à cobertura da rede particular de farmácias. Hoje, há remédios gratuitos ou vendidos a preços baixos apenas para diabetes, hipertensão, asma e osteoporose.

Entre as doenças que seriam incluídas na lista estão ansiedade, depressão, hipertrofia prostática, enfarte, gota e úlceras. Antiarrítmicos, antibióticos e sedativos também seriam oferecidos. O médico informa que a cesta passaria a ter 60 princípios ativos diferentes de medicamentos.

“Queremos que o governo dê prioridade aos genéricos e não mais a similares, por não serem confiáveis”, explica Sandim.

O presidente da Cobap, Warley Martins, reclama que os remédios da cesta atual praticamente não são mais receitados por médicos. “Como estamos com aposentadorias defasadas, será boa economia com remédios a custo baixo ou de graça”, diz.

MAIS REIVINDICAÇÕES

CONSELHO GESTOR
Além da ampliação da cesta de medicamentos, os idosos querem fazer parte do conselho gestor do programa Farmácia Popular. O órgão é responsável por definir se a distribuição do remédio será gratuita ou terá custo baixo.

CENTRAL DE ATENDIMENTO
Os idosos vão propor a criação de central de atendimento para assistência farmacêutica. Querem implementar serviço de teleatendimento gratuito, vinculado ao Ministério da Saúde, para tirar dúvidas sobre uso dos medicamentos.

PLANO DE SAÚDE
Até o dia 3 de julho, os aposentados vão apresentar projeto final para criação de um plano de saúde para idosos em todo o país. Uma possibilidade seria a adoção de modelo que tem como base o Sistema Único de Saúde (SUS). Segurados do INSS que ganham mais pagariam uma contribuição. A verba iria diretamente para a rede do SUS.

Últimas de _legado_Economia