Concurso: Preparo emocional é tão importante quanto os estudos

Especialistas afirmam que reprovação, muitas vezes, é causada por estresse e nervosismo, e não por falta de conhecimento

Por O Dia

Rio - O cuidado com os aspectos emocionais é tão decisivo para a aprovação dos candidatos quanto os estudos. Muitas vezes, a reprovação é causada não por falta de conhecimento sobre os assuntos cobrados na prova, mas por questões subjetivas, como ansiedade e estresse. Por isso, de acordo com especialistas, é preciso investir também em preparo emocional.

Psicóloga educacional do Universo do Concurso Público, Aline Cataldi explica que alguns sinais podem denunciar um possível desequilíbrio emocional por parte do candidato, como pensamento negativo, dificuldade de concentração e esquecimentos durante a prova. A estudante Jacqueline Martins conta que começou a sentir alguns desses sintomas desde que começou a preparação para os concursos. “O pior é a insônia. Por mais que o corpo esteja cansado, não consigo relaxar, parece que nessa hora vem toda a tensão”, conta.

Estudante Jacqueline Martins (E) recebe a ajuda da psicóloga Aline Cataldi na preparação para concursosDivulgação

De acordo com Leonardo Pereira, diretor do IOB Concursos, atitudes simples podem ajudar a minimizar os impactos emocionais causados pela rotina de estudos. “Esporte é uma dica maravilhosa, principalmente os que envolvem concentração e contato, como as lutas marciais. Outra atividade muito recomendada é a meditação, que ajuda no alcance do equilíbrio interno”, recomenda.

O apoio de pessoas próximas, como família, amigos e cônjuge, também é fundamental para minimizar a instabilidade. No entanto, essas mesmas pessoas devem evitar o excesso de cobrança, que aumenta a tensão. “Quando o candidato acredita que deve a essas pessoas alguma satisfação pelo investimento no projeto de aprovação, é negativo. Mas, claro, a caminhada é muito mais fácil quando se tem o apoio das pessoas que ama”, diz Leonardo.

Atenção aos sinais

PENSAMENTOS
De acordo com a psicóloga Aline Cataldi, os problemas emocionais começam a partir de pensamentos negativos por parte do candidato. “Com a mudança de pensamento, os sentimentos serão mais esperançosos e positivos, gerando comportamentos muito melhores”, incentiva.

SENTIMENTOS
Sentir medo, ansiedade e desespero é comum entre candidatos a concursos públicos. O problema é que isso gera comportamentos negativos, como desistir da prova, pular questões ou deixá-las em branco.

REAÇÕES FÍSICAS
O candidato desequilibrado emocionalmente costuma ter dificuldade de concentração, esquecimentos, náuseas, taquicardia, mãos suadas e dor de barriga. Para minimizar esses efeitos, é fundamental dormir o suficiente, se alimentar bem e fazer exercícios físicos.

Psicologia pode ajudar os candidatos

Se o candidato percebe que não consegue dominar sozinho a ansiedade e a insegurança, pode ser importante procurar a ajuda de um profissional. De acordo com Leonardo Pereira, não existem requisitos para indicar os casos de acompanhamento psicológico. “Análise e acompanhamento pessoal devem ser vistos como ferramentas de uma vida com mais qualidade no dia a dia”, avalia.

Já a psicóloga Aline Cataldi acredita que o apoio de um profissional pode ajudar o candidato a superar o pessimismo que atrapalha a preparação. Ela explica: “A partir do momento que conseguimos prestar atenção nas coisas que passam pela nossa cabeça, podemos tentar modificá-los por pensamentos mais otimistas e adequados à situação”.

VIVA VOZ: Juarez Lopes, diretor do curso IOM

“É importante que um dia antes da prova o candidato dê um tempo nos estudos e relaxe. Se possível, mude a rotina, para chegar na prova com aquela sensação de dever cumprido. Estudos de última hora podem prejudicar o candidato, pois aumentam o estresse e provocam o esquecimento. O lado emocional reprova tanto quanto a falta de conhecimento e retenção do conteúdo estudado. Por isso, o apoio da família, dos amigos e do companheiro (a) é fundamental para o candidato, que costuma se isolar”.

Últimas de _legado_Economia