Por helio.almeida

Rio - Quem passa pelas gigantescas obras na área do Porto Maravilha pode não perceber, mas na região, que abrange um raio de atuação que contempla cinco milhões de metros quadrados no entorno das avenidas Rio Branco, Francisco Bicalho,Presidente Vargas e Rodrigues Alves, cerca de 10 mil pequenas e médias empresas estão presentes há décadas, quando ainda nem passava pela cabeça de qualquer arquiteto ou urbanista mudar a cara da região. Os dados foram levantados pela Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), em parceria com o Sebrae-RJ.

O objetivo foi identificar o perfil destes empreendedores e como eles podem ganhar espaço no novo momento econômico que virá, quando o projeto do porto estiver pronto e lá aportarem grandes empresas. O que a Cdurp e o Sebrae-RJ querem é que estas empresas continuem vivas no local e, principalmente, faturando. Além de ajudar a levantar a auto-estima dos empresários de lá.

“O tempo de ocupação total da área é de dez anos. Grandes empreendimentos estão surgindo na região e as pequenas empresas que estão no entorno do porto há anos podem se tornar potenciais fornecedores. Além disso,nosso trabalho junto a essas companhias é de ajudá-las na melhoria de processos e qualificação”, diz Alberto Gomes da Silva, presidente da Cdurp.

A pesquisa identificou que o segmento de bares e restaurantes domina, seguido pelo de empresários da indústria criativa, por conta do grande número de artesãos.

(Por Érica Ribeiro. Coluna também publicada no jornal Brasil Econômico)

Você pode gostar