Por thiago.antunes

Rio - O agora milionário Eike Batista comunicou nesta quarta-feira à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que vendeu 177,2 milhões de suas ações da petroleira OGX. O volume de ações corresponde a 5,49% do capital social da empresa.

Em 28 de agosto, o empresário vendeu 49,8 milhões de ações, 1,54% do capital da petroleira. Em nota de 29 de agosto, a OGX havia informado que as “vendas fazem parte de contínuo processo de aperfeiçoamento da sua estrutura de capital, e têm por objetivo cumprir determinadas obrigações financeiras com credores da holding EBX”.

Somadas as vendas feitas desde março, Eike teve sua participação reduzida em 11,14% do capital social total da OGX. Por outro lado, a companhia reiterou que o empresário não pretende alterar sua posição de controlador da OGX, mantendo participação acima de 50,01%.

Guedes%2C do Serasa%2C alerta para o aumento do risco de calote com cartõesDivulgação

Ibovespa estável

A influência negativa das ações da OGX (-2,38%), o sentimento de incerteza nas praças financeiras globais, em meio à possível ação militar contra a Síria, e as poucas novidades no relatório do banco central (Fed) dos Estados Unidos fizeram com que o Ibovespa, índice da Bolsa de Valores de São Paulo, fechasse em leve alta, com variação positiva de 0,18%, a 51.716 pontos. Já o dólar apresentou a terceira queda consecutiva e terminando a quarta-feira em R$ 2,35 na venda, uma queda de 0,14%.

Cresce risco de endividamento

Embora a inadimplência com o cartão tenha declinado 14% em 2013 em relação ao ano anterior (de 4,4% para 3,8%), o nível de risco entre quem procura cartões de crédito subiu consideravelmente. O número de brasileiros enquadrados na categoria de alto risco cresceu de 23% para 32% entre 2012 e 2013.

“Isso ocorreu porque muitos dos brasileiros tiveram seu primeiro problema de inadimplência no ano passado, e isso reflete no aumento da expectativa de risco futuro”, explica Julio Guedes, chefe de análise da Serasa Experian.

Você pode gostar