Minha Casa também tem tablet

Inclusão em programa do governo fará preço cair. Eletrônico sairá a R$ 16 por mês

Por O Dia

Rio - Produto altamente tecnológico e sonho de consumo de crianças, jovens e adultos, os tablets — computadores portáteis de fina espessura — podem ser incluídos entre os itens do Programa Minha Casa Melhor. Caso seja aprovada proposta idealizada pelo setor de eletrônicos, a previsão é de que o produto tenha prestação de R$ 16, se for parcelado em 48 vezes. As taxas de juros são de 0,407% ao mês, no cartão de crédito com limite pré-aprovado de R$ 5 mil dos beneficiários do programa.

A iniciativa de incluir o tablet é encabeçada pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee). A proposta foi encaminhada à presidenta Dilma Rousseff, que segundo a entidade, acolheu a sugestão e a encaminhou ao Ministério da Fazenda. A pasta informou ao DIA que não comenta proposições em fase de análise.

Para o vendedor Leonardo Fernandes, 25 anos, o preço dos tablets está caindo, mas continua alto para quem é assalariado. “Sei que o produto está se popularizando, até gostaria de ter um, mas ainda não dá”, frisou, acrescentando que subsidiar o item, para torna-lo mais acessível, seria bastante interessante.

Servidor da Assembleia Legislativa do Rio, Ordino Lima, 52 anos, gostaria de adquirir o item para o filho, que é estudante. “Todos os coleguinhas têm celulares modernos e outros aparelhos. Estou economizando para comprar no aniversário dele, mas é caro”, disse, complementando que apesar de não ser beneficiário do Minha Casa Melhor, acha oportuna a proposta de o governo subsidiar o produto.

MICRO-ONDAS

O empresariado tem pressionado o governo federal pela ampliação da lista de produtos acessíveis aos beneficiários do programa.

Em outubro, o governo federal anunciará a inclusão de micro-ondas e armário de cozinha entre os produtos liberados ao Minha Casa Melhor. O programa já repassou mais de R$ 1 bilhão em financiamento aos 220 mil beneficiários.

Últimas de _legado_Economia