Por bferreira

Rio - Há diversas opções para quem deseja transformar a casa em uma hospedagem. Albergue, pousada e acomodações no estilo cama e café são algumas das opções. Após definir qual em tipo de negócio investir, é importante pensar nas características e nos diferenciais dos serviços que você vai oferecer. Por fim, é importante tratar das questões práticas, por meio de um plano de negócios. Abaixo, saiba mais sobre esse assunto.

Por Cezar Vasquez

PERGUNTA E RESPOSTA

“Tenho uma casa bastante confortável, com cinco quartos e três banheiros numa área de comunidade, em ponto com boa vista do Rio e acesso de carro. O que é preciso para fazer dessa casa uma pousada?”

Margarida, por e-mail

Margarida, há vários tipos de hospedagem que você pode implementar. A escolha depende do tipo de cliente. Antes de uma pousada, você pode começar com um cama e café, com estrutura e investimentos menores. Mas, segundo a legislação, você só poderia oferecer até três dos cinco quartos da casa. Quando o movimento aumentar, você pode então liberar os outros quartos e transformar o negócio numa pousada.

Para ser um cama e café, é necessário seguir algumas exigências: o dono deve morar na casa e há tamanho mínimo para os quartos. No site do Ministério do Turismo, há legislação e cartilha sobre o tema. Também há uma rede de cama e café (www.camaecafe.com.br), na qual é possível cadastrar seu estabelecimento, facilitando reservas por parte dos turistas.

Tenha em mente que o público de um cama e café está na faixa dos 25 aos 40 anos e deseja viver a experiência do local, num ritmo mais calmo. Se você pretende atender a um público mais jovem, com ritmo mais intenso, um albergue pode ser a solução. Nesse caso, vários hóspedes dividem o mesmo quarto. É importante também estabelecer um conceito. Ou seja, como você quer que seu negócio seja conhecido e lembrado?

O investimento depende do tipo de empreendimento. Para saber quanto investir, definir a clientela e até o diferencial, faça um Plano de Negócios. Invista também em capacitações, como técnicas de venda e atendimento ao cliente, e contrate funcionários que falem inglês.

Cezar Vasquez é superintendente do Sebrae-RJ. Amanhã, Sucesso nas Compras

Você pode gostar