Por bferreira

Rio - A elaboração de um planejamento mensal dos gastos e ganhos pode ajudar a dimensionar os recursos que estão disponíveis e a pensar como pagar pelos empréstimos. Para pessoas ou empresas a regra é a mesma: ou se ganha mais, ou se gasta menos, não existe mágica nesse aspecto. É importante também, calcular o quanto as dívidas vão impactar o orçamento. Isso pode ser feito através dos demonstrativos dos cartões de crédito.

Por Jair Abreu Júnior

PERGUNTA E RESPOSTA

“Mês passado tive que usar as reservas do cheque especial para pagar contas. Será que posso pegar empréstimo consignado para saldar essa dívida ou não vale a pena?”

Cleomir, Paciência

Cleomir, contrair novos compromissos para quitar os antigos só é vantajoso se o novo empréstimo for mais barato do que o antigo. Isso só é válido se a pessoa tiver condições de contratar crédito consignado, que tem taxas menores, pagar o cheque especial ou o cartão de crédito.

Uma vez que se tenha quitado os débitos, é preciso cuidado para não entrar outra vez no vermelho. Ao término do pagamento das obrigações, você deve seguir com rigor o estabelecido no planejamento mensal.

Tanto o cartão de crédito quanto o cheque especial merecem cuidados especiais, pois devem ser utilizados somente em casos de emergência e não como meio de pagamento de despesas. O uso indevido pode levar ao descontrole e agravar ainda mais a situação do consumidor.

O mais recomendado é fazer compras à vista ou em poucas parcelas, sempre considerando o orçamento do mês. Há pessoas que, equivocadamente, entendem o cheque especial como sendo dinheiro que o banco dá ao cliente, quando na verdade, se trata de um empréstimo sujeito a cobrança de juros e taxas administrativas.

Os percentuais aplicados sobre o valor do crédito variam e também dependem do relacionamento com o correntista. Se o cliente é bom, o limite é alto e a taxa menor.

Em média, o valor cobrado pelo cheque especial pode chegar a 10% ao mês, enquanto no crédito pessoal ou consignado vai a 3%. A vantagem do cheque especial é que o uso pode ser imediato. No entanto, o consignado opera com juros mais baixos , reduzindo os riscos de endividamento.

Jair Abreu Júnior é coordenador em Gestão Financeira da Universidade Estácio de Sá

Você pode gostar