Por bferreira

Rio - A primeira parcela do décimo terceiro será depositada até o dia 30 de novembro e, com isso, o comércio começa a fazer promoções para atrair consumidores. Nesse momento, é preciso ter cautela e priorizar o pagamento de dívidas para virar o ano sem preocupações. Além disso, o ideal é criar o hábito de guardar uma parte da gratificação para momentos de necessidade ou para os gastos extras que chegam com o ano novo.

Por Marco Quintarelli

PERGUNTA E RESPOSTA

“Nem chegamos ao fim do ano e já estou endividado. Espero a primeira parcela do 13º salário para comprar os meus presentes e antecipar a ceia de Natal. Qual a sua orientação para eu me organizar?”

Bruno Gomes, Penha

O trabalhador brasileiro tem uma grande oportunidade de ajustar a sua vida financeira no fim de novembro. Isso porque a primeira parcela do 13º salário, que é depositada nesse período, é a grande “salvadora” dos endividados. Muitos consumidores estão com parcelamentos atrasados, cheque especial estourado, além de empréstimos e cartão de crédito pendentes, criando circulo vicioso e angustiante. A hora é agora para aliviar as despesas.

Por isso, a prioridade para a primeira parcela da gratificação deve ser quitar dívidas.Comece com os débitos menores. Mesmo que você não consiga pagar tudo,faça esforço para reduzir ao máximo os valores devidos. O ideal seria que todo — ou pelo menos uma parte — do 13º fosse reservado para futuras necessidades. Infelizmente, a maioria de nós não tem este hábito, mas podemos nos educar.

Nos próximos dois meses, seremos assediados por milhares de ofertas e promoções de antecipação de venda. Essa é uma estratégia comum do varejo, afinal, o período de maior venda é dezembro, com as festas de fim de ano.

Assim, organize-se e deixe para comprar seus presentes e os produtos para a sua ceia de Natal apenas quando receber a segunda parcela do 13º. Não pare de fazer os seus planos de fim de ano, mas seja contido em seus gastos. Compre somente o necessário e, se possível, gaste menos com presentes. Lembre-se que o mais importante é o que eles representam para quem vai recebê-los, e não o valor propriamente dito.

Marco Quintarelli é consultor do Grupo AZO. Segunda-feira, Sucesso nos Concursos.

Você pode gostar