Em meio à crise, empresa de Eike oferece cursinhos profissionalizantes

OSX garante que cumpriu acordo judicial; Justiça dará prazo maior para comprovação de cumprimento

Por O Dia

Rio - Depois da OGX pedir recuperação judicial na última quarta-feira (30), a empresa de construção naval OSX, dependente de encomendas da petroleira, também já anunciou que poderá utilizar o mesmo recurso.

Em meio à enxurrada de más notícias para o Grupo EBX e seu controlador, o empresário Eike Batista, a empresa ainda tem de se preocupar em oferecer cursinhos profissionalizantes.

Esta ação faz parte de um acordo judicial firmado com o Ministério Público do Trabalho (MPT) no dia 30 de julho, após a demissão de cerca de 300 trabalhadores do estaleiro no Porto de Açu, no Rio de Janeiro, sem nenhuma negociação coletiva prévia.

Freada brusca de Eike Batista nos investimentos na área de segurança do estado pode comprometer o planejamento de novas UPPs no RioReuters

Isso porque as obras do estaleiro foram adiadas após a empresa anunciar um plano de reestruturação .

A pedido do MPT, em 17 de junho, a juíza da primeira Vara do Trabalho da região concedeu liminar, ao considerar “a gravidade da situação social”, ordenando a reintegração de todos os trabalhadores .

Na época, a empresa não reconheceu a existência de dano moral coletivo com as demissões e comprometeu-se, em conciliação, a oferecer cursos para a mesma quantidade de trabalhadores sem qualificação específica, residentes na região de Campos, São João da Barra e municípios contíguos.

Além disso, deveria divulgar a existência das vagas e os procedimentos de inscrição em jornais de grande circulação da região, bem como por rádio, durante 15 dias antes do início das inscrições.

De acordo com a sentença, a OSX teria até 30 de outubro para dar início aos cursos que fazem parte dos acordos firmados e, caso não conseguisse um ente educacional, deveria comunicar ao MPT.

Em nota, a OSX afirma que os cursos foram iniciados em outubro, conforme previsto no acordo. A Justiça prevê mais 30 dias para comprovar se a empresa cumpriu o acordo. Procurado, o Serviço Social do Transporte (Sest)/Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat) de Campos de Goytacazes não respondeu à reportagem.

Caso seja comprovado que não cumpriu o acordo, inclusive relacionados a prazos, a empresa poderá ser multada em valor idêntico ao dos cursos ofertados, acrescido de 30%.

As informações são da repórter Marília Almeida, do iG

Últimas de _legado_Economia