Juros ao consumidor sobem perto do Natal

Previsão de economistas é que taxa pode subir ainda mais até o início de dezembro

Por O Dia

Rio - A pouco mais de um mês do Natal, as taxas de juros ao consumidor alcançaram o maior patamar do ano após alta registrada em outubro. Foi a sexta elevação do ano, segundo pesquisa da Anefac (Associação de Executivos de Finanças) divulgada ontem.

De acordo com o levantamento, a taxa média mensal passou de 5,53% em setembro (ou 90,77% ao ano) para 5,56% em outubro (ou 91,42% ao ano). O patamar é o maior desde novembro do ano passado, quando também às vésperas do Natal os juros subiram.

Diretor da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira explica a alta atual dos juros como decorrente da elevação da taxa básica de juros, a Selic, decidida na reunião de outubro do Copom (Comitê de Política Monetária do BC).

O cenário ruim pode ficar ainda pior. É que a previsão de economistas, entre eles o próprio Oliveira, é que o medo de alta da inflação fará o BC voltar a subir os juros básicos no encontro dos próximos dias, 26 e 27. “É provável que, com isso, as taxas de juros das operações de crédito voltem a ser elevadas nos próximos meses”, explica.

PROCURA MAIOR

Mesmo com a alta dos juros, a procura do consumidor por crédito aumentou 6,5% em outubro, recuperando-se parcialmente da queda de 9,8% observada em setembro, segundo a Serasa Experian.

Na comparação com mesmo mês do ano passado, porém, houve recuo de 5,2% na demanda por crédito. Conforme os especialistas da entidade, o encarecimento do custo do crédito, determinado pelas sucessivas elevações da taxa básica de juros, já está desestimulando os consumidores a ampliar seus níveis de endividamento.

Últimas de _legado_Economia