Por julia.amin

Rio - A Petrobras anunciou reajuste de 4% no preço da gasolina, que vale a partir deste sábado. O valor na bomba, no Rio, pode alcançar R$ 3,42, no máximo, dependendo do posto. O aumento do diesel é ainda maior. O produto foi corrigido em 8%. Como o preço médio na capital é R$2,09, atualizado vai a R$ 2,26.

A elevação era debatida há meses puxada pela petroleira. A empresa precisa urgentemente equilibrar o caixa, hoje defasado por conta da oscilação do dólar e do custo de derivados de petróleo importados.

E o carioca já faz as contas para ver como fará daqui pra frente. O motorista Antônio Ribeiro, 59 anos, mora no Maracanã e usa o carro para ir ao trabalho. Ele gasta R$ 600 por mês e agora vai pagar R$24 a mais cada vez que abastecer. A diferença acumulada em 12 meses será de R$288 em dezembro de 2014.

O utilitário da empresa que Antônio dirige é abastecido diariamente. A companhia gasta R$ 2 mil por mês. Agora, a conta será acrescida em R$80 por mês. No acumulado em doze meses, a soma vai resultar em despesa de R$ 960.

NOVA METODOLOGIA

A nova metodologia de reajuste de preços também foi aprovada ontem. A fórmula prevê correções automáticas e periódicas. Trata-se de uma indexação com base no câmbio e preços internacionais do petróleo que, em tese, impedirá o repasse da oscilação internacional ao Brasil.

CONVERGÊNCIA
Presidente da Petrobras, Graça Foster explicou que com a nova metodologia de reajuste de preços, a estatal pretende alcançar a convergência dos valores brasileiros com os do exterior.

OSCILAÇÃO
“Contudo sem transferir a oscilação internacional ao consumidor interno”, declarou Graça.

CONSELHO REUNIDO
A reunião com o conselho de administração da petroleira, ontem, durou cerca de seis horas.

PRESIDENTE
Ministro da Fazenda, Guido Mantega preside o conselho de administração da Petrobras.

DEFASAGEM
Devido à defasagem dos preços, a Petrobras perdeu R$ 20 bilhões de seu valor de mercado. Agora quer recuperá-lo.

Você pode gostar