Por helio.almeida

Rio - Maria Clara, de 47 anos, reformou sua casa na Rocinha, Zona Sul do Rio, para receber turistas. Assim como ela, outros moradores de comunidades se preparam para atender a demanda de visitantes que virão à cidade, uma das sedes da Copa do Mundo de 2014. Somente com alvará de funcionamento, já são 72 estabelecimentos com capacidade para comportar, ao todo, até 3.185 pessoas, de acordo com a RioTur. Para saber o que precisa para montar um albergue, um consultor dá dicas de como começar a abrir as portas para os turistas.

Laje da casa de Maria Clara%2C ao lado de Edgar%3A 'O hóspede fica sendo um membro da família'%2C disse.Hélio Almeida / Agência O Dia

"A ideia veio de um guia de turismo. Ele falou que minha casa era ideal para receber os turistas", disse Maria Clara, que tem três quatros para reservas em seu imóvel com vista para São Conrado, Ipanema, Lagoa e Cristo redentor. "Da primeira vez eu fiquei preocupada, comecei a pintar a casa. Mas ele é super simples". Para ela, o hóspede fica sendo um membro da família. "Ele fica aqui junto com a gente pela casa. Meu neto já se enturmou com ele".

>>> GALERIA: Confira fotos de albergues em favelas do Rio

Quem já se hospedou em albergue na comunidade aprova a iniciativa, como o californiano Edgar Pagaza, 34 anos, hospedado na casa de Maria Clara. "Quando li sobre pacificação eu vim para cá. Eu sempre ficava em Copacabana". Para ele, os benefícios são baixo custo e convivência com outra cultura. "A energia é muito boa, a espontaneidade é legal, tem festa na rua. Conheço cidades de 35 países, mas aqui é minha cidade favorita", disse, em sua sexta viagem ao Rio.

Com a instalação de uma UPP, a expectativa era de aumento do número de turistas, o que não ocorreu para Cristiane de Oliveira, que administra o Favela Inn Hostel. "Aqui deu uma caída. Mas a gente não pode parar, estamos sempre nos capacitando. Já tem gente ligando querendo saber sobre reserva", se anima.

Serviço como diferencial

Para André Lima, dono do Vidigalbergue, o que preocupa mais é o aumento da concorrência. "Muita gente querendo vir, só que agora tem bastante gente neste mercado. A gente teve que baixar o preço (diária de R$ 30 com café) para sair na frente".

Pensando em atrair os turistas, os estabelecimentos oferecem serviços como acesso à internet em rede wi-fi (grátis) e até carro para buscar o hóspede no aeroporto, como no caso do Ralé Chateau, no Cantagalo, que prepara uma festa para depois de meia-noite do dia 1º de janeiro.

"O turista gosta de ir à praia ver os fogos, mas depois ele tem pouca opção. Então vamos oferecer um evento pós-fogos, com comida, bebida", antecipa Silvia Pinheiro, administradora do Ralé, que cobra de R$ 35 a R$ 50 por uma diária na baixa temporada e podendo chegar a R$ 140 no carnaval e Copa do Mundo. "Não temos mais vagas para a Copa", avisa.

Dicas para abrir um albergue

Para quem pensa em abrir as portas de casa para hospedar turistas, é preciso se informar com pessoas que estão nesse mercado como está o setor, calcular os custos para se chegar ao preço da diária e saber como a localização do imóvel pode ajudar para atrair futuros hóspedes. Confira algumas dicas de Jarbas Modesto, da Besser Consultoria.

Varanda da Pousada Alto VidigalDivulgação

Mercado - Acompanhar tendências e oportunidades na comunidade

Estrutura - Com quartos na maioria das vezes coletivos e banheiros compartilhados, o espírito de um albergue é justamente a coletividade.

Capacidade - Ideal para oferecer em média, 30 pessoas/vagas, que podem ser distribuídas em quartos com até 05 camas (por quarto).

Investimento - Depende muito do vai você quer oferecer a seus visitantes, mas estima-se que o retorno financeiro volte em um período de 12 a 24 meses.

Localização - Para ter sempre hóspedes chegando ao seu hostel, outra regra é básica: seu empreendimento precisa estar bem localizado.

Bem estar - Preze estar dos hóspedes: Proporcione privacidade e sossego aos
hospedes durante sua estadia.

Funcionários - Invista em excelência nos serviços prestados; para isso contrate funcionários qualificados ao perfil; que priorizem gentileza, prontidão e bom humor.

Excelência - Mantenha suas instalações impecáveis a avaliação; Conforto, ventilação adequada, higiene, presteza e habilidades no atendimento e outras.

Notoriedade - Amplie a viabilidade do seu empreendimento. Cadastre o seu hotel no sistema online de busca por Prestadores de Serviços Turísticos, o Cadastur (do ministério do Turismo). Também mantenha agencia de viagens e contatos com taxistas e internet.

Exigências legais – a atividade pode ser enquadrada no MEI, consulte toda a
documentação necessária para estarem em dia com a atividade, informações essas que você pode conseguir com o Sebrae.

Você pode gostar