Tabela do IR terá correção de 4,5% a partir de janeiro

Trabalhador que ganha até R$1.787,77 ficará isento da mordida do Leão em 2014

Por O Dia

Rio - Os valores da tabela do Imposto de Renda (IR) de 2014 vão ser corrigidos em 4,5% a partir do dia 1º de janeiro. Com isso, cada faixa das alíquotas sofrerá ajustes. Assim pela nova tabela, trabalhadores que ganham até R$1.787,77 ficarão isentos da mordida do Leão do IR na fonte. Atualmente, esse limite é de R$ 1.710,78. Será a última correção automática da tabela prevista pelo governo. Os números valem para a declaração do imposto para o ano de 2015.

Com os 4,5% de reajuste, a alíquota de 7,5% passa a ser aplicada para quem recebe entre R$ 1.787,78 e R$2.679,29 em 2014. Ainda, segundo a nova tabela da Receita, o desconto de 15% válido atualmente para vencimentos de R$ 2.563,92 até R$ 3.418,59 passa a ser aplicado sobre a faixa salarial de R$ 2.679,30 a R$ 3.572,43.

Pela nova correção, a alíquota de 22,5% passa a valer no ano que vem para quem tem salários entre R$3.572,44 e R$ 4.463,81. Já a alíquota máxima, de 27,5%, vai incidir sobre vencimentos superiores a R$4.463,81.

A última correção automática ficará mais um ano abaixo da inflação, que foi de 5,85% em 2013, considerando o IPCA-15, por exemplo. Será o 18º ano consecutivo que o Fisco ajusta a tabela em valores inferiores ao da inflação. A defasagem deve fechar esse ano em 66%.

A diferença acorreu a partir de 1996, quando houve o congelamento da tabela do IR, que durou até 2001. Nos anos seguinte, todos os reajustes que ocorreram foram inferiores ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), aumentando as perdas.

O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco) chegou a lançar campanha para conseguir 1,5 milhão de assinaturas para um projeto de lei que muda a forma de correção IR. A ideia é reduzir gradativamente a diferença em um período de dez anos, a partir de 2015. Além da correção da tabela, a proposta estabelece a taxação de lucros e dividendos a partir de R$ 60 mil por ano.

Últimas de _legado_Economia