Por tamyres.matos
Rio - O motorista que precisa parar o carro em estacionamentos rotativos no Rio paga um dos preços mais altos do país. Pesquisa da empresa de consultoria imobiliária Colliers mostra que a mensalidade, por exemplo, cobrada por esses estabelecimentos ficou 18,1% mais cara este ano, em relação a 2012. A inflação em 2013 deve ficar em 5,7%, pelo INPC.
Enquanto em São Paulo o preço médio mensal cobrado em estacionamentos é de R$ 332, no Rio, o valor é de 472,50. Na cidade paulista, a diária custa R$ 36,50. Aqui, sai, em média a R$45,50.

A Zona Sul e o Centro foram as regiões da cidade que tiveram elevação maior de preços, em função da valorização imobiliária e da dificuldade para encontrar vagas nas ruas. No Flamengo, a primeira hora de estacionamento teve alta de 100% este ano. A média era de R$ 7 em 2012 e subiu a R$14 em 2013.

Consultora Laura Cini ficou surpresa ao perceber que o estacionamento no Rio está mais caro que em São PauloAlexandre Brum / Agência O Dia

Para o mesmo período de tempo estacionado, o valor médio no Centro passou de R$ 12 para R$ 14, um aumento de 16,7%. Na Barra da Tijuca, Zona Oeste, essa diferença foi de 15,4%. Era cobrado R$ 6,50 em 2012 e este ano passou para R$ 7,50. Já em Copacabana, houve aumento de 11,8% para a primeira hora: de R$ 17 para R$ 19.

Publicidade
Para André Braz, economista do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), a valorização do mercado imobiliário e as facilidades para adquirir automóveis são fatores que influenciam no encarecimento dos estacionamentos. “Hoje em dia há mais carros transitando nas ruas. O aumento da demanda, aliado aos terrenos mais caros, resultou nessa alta”, explica.
Além disso, Braz afirma que esse aumento tem um impacto relevante na inflação. Segundo o economista, pesquisas mostram que o gasto com estacionamento compromete 0,77% da renda de famílias que ganham de um a 33 salários mínimos (R$ 22.374). As despesas com arroz e feijão, por sua vez, somam apenas 0,59%.
Publicidade
A dica para reduzir o custo nesses estabelecimentos ou, pelo menos, estabilizar esse crescimento é recorrer ao boicote. “O que sustenta a alta nos preços dos serviços é a procura. Se menos pessoas usarem os estacionamentos, é provável que os preços baixem. Fatalmente, se os cidadãos derem preferência ao transporte público, em vez dos carros, isso ajuda a parar o aumento dos preços”, avalia Braz.
Para o servidor Abílio Henriques%2C o preço das vagas no Rio é absurdoAlexandre Brum / Agência O Dia

A consultora de informática Laura Cini, 50 anos, trabalha em São Paulo e, durante as férias no Rio, estranhou o valor das diárias nos estacionamentos da cidade. “Os preços estão absurdos. Está mais caro do que na Avenida Paulista. Eles aproveitam que há poucas vagas para cobrar valores abusivos”, diz.

Estabelecimentos devem se responsabilizar por furtos no local

Criada em 2011, a lei estadual 5.862 proíbe a cobrança de um tempo mínimo de horas, para que se possa usar o serviço de estacionamento. Caso perceba alguma irregularidade, o consumidor pode entrar em contato com o Procon-RJ pelo número 151.

De acordo com a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), são ilegais os avisos nos estacionamentos informando que os proprietários não se responsabilizam pelo furto de objetos deixados no interior do veículo, assim como o roubo do carro.
Publicidade
A entidade explica que essa informação viola o Código de Defesa do Consumidor e trata-se de uma prática abusiva. Segundo o site da Proteste, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que a empresa responde, perante o cliente, pela reparação de danos ou furtos de veículos ocorridos em seu estacionamento. É importante guardar o comprovante, caso tenha que entrar com ação judicial.
Usuários dos serviços acham valores abusivos
Publicidade
No Centro do Rio, O DIA encontrou diárias em estacionamentos rotativos com preços que variam de R$ 25 a R$ 60. A primeira hora estacionada, por sua vez, custava em torno de R$ 13.
O funcionário público Abílio Henriques, de 64 anos, conta que mora em Paty do Alferes, no Centro-Sul Fluminense, e se surpreende todas as vezes que precisa vir ao Rio.
“Vim levar minha mulher ao médio e achei o preço do estacionamento um absurdo. Paguei R$ 21 por algumas horas. Na rua não há lugar para estacionar, então acabamos aceitando esses valores abusivos”, critica.
Publicidade
O técnico de ar-condicionado Antônio Marcos Santos Soares, de 40 anos, também reclama dos preços. “Pago R$ 25 todos os dias para estacionar o carro. Quem banca é a empresa, mas acho que em breve vão pedir para estacionarmos na rua mesmo, porque está muito caro”, lamenta.