Por thiago.antunes

Rio - A Azul Linhas Aéreas vai estabelecer em até R$ 999 o valor máximo dos bilhetes aéreos para os destinos operados pela companhia, durante o período da Copa do Mundo. O anúncio foi feito ontem pela empresa e as tarifas valem para viagens entre 12 de junho e 13 de julho. De acordo com a companhia, os bilhetes com preços diferenciados já estão disponíveis em todos os canais de vendas da voadora, para todos os destinos operados pela Azul, independentemente do número de trechos.

De acordo com o presidente da Azul, David Neeleman, o objetivo é ampliar a demanda de passageiros no período. Ele citou como exemplo de tarifas que serão oferecidas aos passageiros, um voo ligando Alta Floresta (MT) a Fortaleza (CE) que, diz Neeleman, será oferecido por, no máximo, R$999. Para ele, isso torna a companhia mais competitiva diante da concorrência.

A direção da empresa Azul tem como objetivo ampliar a demanda de passageiros no período da Copa do Mundo no segundo semestreDivulgação

Durante a Copa, a empresa terá aproximadamente 600 voos extras, que servirão os 12 destinos onde serão sediados os jogos. Para a primeira fase, a companhia solicitou à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) 310 voos adicionais para as seguintes cidades: Rio de Janeiro, Campinas, São Paulo (Congonhas), Guarulhos, Brasília, Goiânia, Confins, Salvador, Fortaleza, Recife, Porto Alegre, Manaus, Cuiabá, Curitiba e Natal. A aprovação pela Anac deve ser anunciada já na próxima quarta-feira. 

A partir do dia 16, a companhia vai solicitar à agência permissão para fazer voos fretados, assim como a necessidade de adicionar novos voos extras. Para as demais fases, os pedidos serão feitos de forma progressiva a partir de junho, quando começam os jogos. Ainda, para os jogos mais procurados, vai oferecer opções extras nos dias anteriores e posteriores aos eventos. Após a aprovação da Anac, a companhia divulgará horários dos voos.

Outras ainda vão esperar

Enquanto a Azul se antecipa e tentar obter vantagem frente à concorrência, a empresa TAM, que é líder no mercado doméstico, preferiu aguardar a aprovação pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) de sua proposta de redesenho da malha aérea para a Copa, enviada em 20 de dezembro do ano passado.

Segundo a companhia, a competição no Brasil impõe um grande desafio logístico para a voadora que poderá mudar até 40% de seus voos no período do torneio internacional que começa em junho. Se a proposta da TAM for aprovada na íntegra, a malha alternativa a ser operada pela companhia entre os meses de junho e julho deste ano deverá acarretar em uma mudança temporária do mapa de operações aéreas regulares da companhia.

A TAM citou como exemplos Fortaleza, no Ceará, que hoje tem 28 voos diários da empresa, e Cuiabá, no Mato Grosso, que conta com apenas cinco, que poderão receber durante o mundial de futebol até 32 e 11 voos em um dia, respectivamente. Já a Avianca e a Gol também vão aguardar a aprovação da Anac para suas propostas de mudanças na malha aérea.

Reportagem de Erica Ribeiro

Você pode gostar