Por thiago.antunes

Rio - A aquisição dos 36 caças suecos Gripen NG, da empresa Saab, por R$ 10,715 bilhões, anunciado em dezembro, não deve afetar a balança comercial brasileira.

A iniciativa com o investimento equivale a um quarto das importações do país em 2012 (R$41 bilhões), e chega quase a ser quatro vezes mais alto do que o total de importações de óleos brutos de petróleo (R$ 2,857 bilhões). Professor de macroeconomia da Unesp, Eduardo Strachman ressalta que a compra pode incentivar as exportações e o desenvolvimento da indústria nacional, levando-se em conta que é possível que partes dos caças sejam produzidas no Brasil.

“Não há riscos para a economia. Haverá transferência de tecnologia”, destacou. Para Strachman, além da necessidade de o país se defender, principalmente devido ao pré-sal, existe o problema do tráfico de drogas. “Fazemos fronteira com diversos produtores e os caças podem ajudar no controle dessa área”, disse.

Ele frisa que o desenvolvimento tecnológico que virá da parceria beneficiará a economia. “A transferência de tecnologia vai se transformar em produção, que se transformará em lucros”, afirma.

Vem pro Brasil

A Dallas Aeronautical Services (DAS) terá sua primeira unidade fora dos Estados Unidos. Vai se instalar em São José dos Campos (SP), e ficará na incubadora do Parque Tecnológico da Universidade Vale do Paraíba (Univap). No Brasil, pretende produzir compósitos (matéria com dois componentes) para o setor.

Investirá R$ 4 milhões

A indústria investirá R$ 4 milhões na unidade brasileira e ficará em 600 metros quadrados, num galpão cedido pela Univap. A DAS é também especializada em testes e reparos de radomes (estruturas leves que abrigam as antenas de radares nos aviões), e deve iniciar suas atividades em meados de junho deste ano.

Trocas na FAB

Comandos da Força Aérea Brasileira (FAB) foram trocados nas primeiras semanas do ano. Em Canoas, no Rio Grande do Sul, o Primeiro Grupo de Artilharia Antiaérea recebeu o major de infantaria Luís Marcelo Sotoriva. O novo comandante recebeu o cargo do coronel de infantaria José Roberto de Queiroz Oliveira.

Sob nova direção

Quarta-feira ocorreu na Base Aérea do Galeão a passagem de comando do 1º Grupo de Transporte de Tropa e do 1º Esquadrão do 2º Grupo de Transporte. Assumiu o tenente-coronel Cleber dos Passos, militar natural da capital fluminense, ex-chefe da Seção de Material e de Operações da própria base.

Você pode gostar