Empresários transformam prato típico inglês em comida de rua em São Paulo

'Minha ideia foi trazer o sofisticado para as ruas. Tratamos os clientes como reis e rainhas', diz empreendedor

Por O Dia

São Paulo - Prato típico da Inglaterra e tradicionalmente servido em papel de jornal, o fish and chips (porção de batata e peixe, ambos fritos) agora chegou às ruas de São Paulo. No dia 2 de dezembro, Hermes Ricardo Bernardo Junior e Victor Schimitz Rosse iniciaram as operações da Fichips, empresa que funciona em uma van e que ainda não tem local fixo, mas aposta inicialmente na região da Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini (zona sul de São Paulo).

A ideia de criar o empreendimento surgiu quando Hermes foi para Londres e experimentou o prato. Ao voltar para o Brasil começou, juntamente com Victor, a fazer um planejamento de negócios, financeiro, de marketing e de retorno do investimento, que durou cerca de oito meses.

'Tratamos os clientes como reis e rainhas, servidos com um tapete vermelho', diz dono do FichipsReprodução Internet

Com um tapete vermelho, decoração com mimos que trazem uma pequena parte da Inglaterra a terras brasileiras e um guarda real chamado Aquiles, o empreendimento traz, além do fish and chips por R$ 12, porções de anéis de cebola fritos – os famosos onion rings – e porções de batata frita por R$ 8. “A minha ideia foi justamente trazer o sofisticado para as ruas. Nós tratamos os clientes como reis e rainhas, servidos com um tapete vermelho”, conta Hermes.

Na Inglaterra, no entanto, o peixe utilizado é o hadoque ou o bacalhau; mas por ser inviável utilizar a mesma matéria-prima, por conta dos altos preços, os sócios preferiram usar o filé de Saint Peter, que é mais acessível. Para conservar os produtos, Hermes e Victor têm um freezer dentro da van.

Além das porções já oferecidas, os sócios pretendem adicionar mais pratos ao cardápio, como o chicken and chips e a batata doce frita. Para os que gostam de um doce depois das refeições, a Fichips firmou uma parceria com a Sorvetes Londres, que fornece picolés, sorvetes de massa e sundae.

Hermes Bernardo e Victor Rosse têm um projeto de colocar em circulação mais vans do Fichips. Como a empresa é nova e ainda tem muito chão pela frente, não é possível abrir franquias, mas podem surgir outros foodtrucks abertos e administrados pelos próprios sócios. “Nos primeiros dias nós ficamos meio desanimados, mas foi só um começo. Futuramente, nosso objetivo é abrir franquias”, conta Hermes.

Por enquanto, além da venda de petiscos na hora do almoço, os empresários investem na participação em eventos de universidades e na venda de porções durante a noite, com iluminação de led, inicialmente na Parada Inglesa (zona norte da capital paulista).

Últimas de _legado_Economia