Por thiago.antunes
Rio - A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacom) quer evitar a prática de preços abusivos nas redes hoteleiras das 12 cidades-sede da Copa do Mundo. Para isso, o órgão, ligado ao Ministério da Justiça, iniciou pelo Rio uma série de reuniões com donos e operadores de hotéis no país.
Segundo Juliana Pereira, titular da Senacom, para dar mais transparência à política de preços durante a competição, os hotéis terão que publicar na internet, no site de cada um, valores das diárias para o período. Os empresários do setor firmaram acordo com a secretaria e demais órgãos de defesa do consumidor, entre eles o Procon Carioca, em que se comprometem a informar as tarifas aos turistas.
Publicidade
O parâmetro, no caso do Rio, será o de preços para hospedagem no Réveillon e Carnaval, alta temporada local. Os valores para quartos na Copa não podem ser mais caro do que nestes períodos. “Os hoteleiros do Rio afirmam que não praticam preços abusivos. Mas propusemos que eles coloquem nos principais meios de comunicação dos hotéis a disponibilidade e as tarifas médias. Assim, não há o que se especular sobre elevação de preços. Partiremos das tarifas em alta temporada vigentes em cada cidade”, disse Juliana.
Hotéis do Rio%2C como o Marina Palace%2C colocarão em seus sites os preços da alta temporada deste anoCarlos Moraes / Agência O Dia

O trabalho, diz ela, começou com a pesquisa feita pela Embratur e o Ministério da Justiça, que resultou na investigação de operadoras e hotéis. A ação quer evitar situações como a identificada em Cuiabá, uma das cidades-sede da Copa. Segundo Juliana, um hotel chegou a cobrar R$4 mil por uma diária e foi denunciado aos órgãos de defesa do consumidor.

Porém, a vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-RJ), Sonia Chami, afirma que colocar os preços da forma que a secretaria deseja pode não acontecer. “Vamos informar no site as tarifas para que o consumidor tenha acesso. Mas publicar os preços anteriores do Réveillon e do Carnaval para comparação é mais complicado”, argumentou.
Publicidade
O Procon Carioca anunciou medidas para proteger o consumidor durante a Copa. Segundo o órgão, equipe do corpo jurídico vai fiscalizar, online, os sites da rede hoteleira e de agências de viagem para comparar preços e combater cobranças irregulares.
Anac inclui 1.973 voos
Publicidade
A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizou ontem a inclusão de 1.973 voos extras para companhias aéreas atenderem à demanda esperada na Copa. Os voos serão operados em 25 aeroportos no país. O órgão não recusou pedidos feitos pelas empresas.
Além das 12 cidades-sede, outras 13, situadas em um raio de 200 quilômetros de distância dos locais onde serão disputados jogos oficiais receberão voos adicionais. As empresas têm até dia 31 para aceitar ou não a composição, ajustes que forem necessários para que estes voos possam ser inseridos e os horários. A expectativa é que os voos sejam oferecidos na próxima semana.
Publicidade
As cinco rotas mais pedidas foram: Galeão-Ezeiza (Argentina), com 262 voos autorizados; Brasília-Guarulhos, com 288 adicionais; Fortaleza-Guarulhos, com mais 205; Santos Dumont-Viracopos, com 284 e Galeão-Aeroparque (Argentina), com 242 a mais.
Reportagem do Erica Ribeiro
Publicidade