Carta-protesto será lida em missa no Dia Nacional do Aposentado

Aposentados do Rio vão para São Paulo em dois ônibus alugados pela federação

Por O Dia

Rio - Aposentados e pensionistas do INSS elaboraram uma carta à população que será lida durante a missa em comemoração ao Dia Nacional do Aposentado, na próxima sexta-feira, dia 24. A celebração religiosa ocorrerá, às 8h, na Basílica de Nossa Senhora, em Aparecida, em São Paulo, no domingo.

No documento, representantes dos segurados de todo o país, cobram do governo federal reajuste igual para todos, independentemente do valor dos benefícios; a recuperação das perdas salariais provocadas pela diferenciação dos índices de aumento; o fim do fator previdenciário no cálculo das aposentadorias e ressarcimento a todos aqueles que tiveram perdas; e o término das desonerações concedidas às folhas de pagamentos, entre outros pontos.

Após a missa no domingo, haverá um grande ato público em frente ao Santuário de Aparecida, marcado para às 9h. Organizada pelo Confederação Brasileira dos Aposentados (Cobap), a manifestação deve reunir milhares de aposentados e pensionistas do INSS, que vão seguir em caravana de todos os estados do país.
Somente do Rio, dois ônibus foram alugados pela Federação das Associações de Aposentados e Pensionistas do Rio (Faaperj) para ir a São Paulo no dia 24. A presidente da entidade no Rio, Yedda Gaspar, confirmou que está tudo pronto para as comemorações, que também vão ter um tom de protesto contra as políticas do governo relativas aos idosos.

Segundo Yedda, os dois ônibus já estão lotados. Serão cem aposentados que partirão para Aparecida na sexta-feira. O ponto de encontro será a sede da federação, na Rua do Riachuelo 373 A, no Centro. Antes, no sábado, dia 25, o pessoal passa em Campos do Jordão, em São Paulo, para fazer um passeio turístico. Em seguida seguem para o Santuário, onde vão participar da missa e do ato público.

No texto que será lido durante da celebração, os aposentados e pensionistas também reivindicam a regulamentação do direito a novo cálculo de seu benefício, quando o segurado continua trabalhando e contribuindo obrigatoriamente para o INSS, a chamada desaposentação. O tema ainda depende de uma decisão final do Supremo Tribunal Federal (STF).

Os dirigentes da Cobap e das federações filiadas cobram ainda do governo federal a adoção de assistência médica de qualidade, como está prevista no Estatuto do Idoso, com atendimento preferencial para as pessoas acima de 60 anos de idade.

Últimas de _legado_Economia