Por tamyres.matos

Rio - O Facebook completou dez anos nesta terça-feira. Foi em 4 de fevereiro de 2004 que Mark Zuckerberg, Eduardo Saverin, Dustin Moskovitz e Chris Hughes jogaram na rede o ‘Thefacebook’. O sucesso foi retumbante. Hoje, 1,23 bilhão de usuários entram no Facebook pelo menos uma vez por mês, sendo 83 milhões de brasileiros. A empresa vale US$ 135 bilhões.

Mais que isso, está explodindo no mundo móvel: no fim de 2013, as vendas por meio de anúncios em smartphones ou tablets ultrapassaram as feitas nos velhos PCs. Nesse meio tempo, Zuckerberg, que só completa 30 anos em maio, ficou podre de rico, assim como os parceiros. Comemoremos.

Não por acaso, fica aqui a dica de um livro bem interessante, “Conecte-se ao que importa — Um manual para a vida digital saudável”, de Pedro Burgos (Ed. Leya). Diz que não podemos mais perder tempo com qualquer site, rede social, qualquer ‘coisa’ que se oferece na internet.

Tem a ver. Estamos dedicando um tempo cada vez mais generoso, por exemplo, a Facebook, Instagram, Twitter etc. Descobrimos necessidades que não existiam até há pouco tempo. Vício mesmo. No fundo, é isto: o mundo internet é fascinante, mas tem suas armadilhas. Encontrar o equilíbrio é a proposta do Pedro. Cada um sabe de si, claro. Mas não custa nada avaliar até que ponto esse gostoso hábito de ficar conectado não pode passar dos limites.

POR FALAR EM FACEBOOK...

Mestre em Inteligência Artificial, o consultor mineiro Reginaldo Silva, 27 anos, está comemorando não exatamente o aniversário do Facebook, mas o prêmio de US$ 80 mil que ele recebeu da empresa por ter descoberto uma falha de segurança nos servidores dela. Reginaldo entrou para o Hall da Fama do Facebook, homenagem que já recebera do Google. Ele explica os riscos da rede e como se proteger.

Dá para transmitir um malware pelos joguinhos do Facebook?

Que eu saiba, não. Só por meio de falhas ou links maliciosos mesmo. Quem descobrir como fazer isso a partir de um jogo vai receber um bom prêmio.

Qual o maior risco para as empresas no Facebook?

Às vezes as páginas das empresas revelam informações demais, como nomes de pessoas estratégicas e seus perfis. Facilita bastante um ataque de ‘engenharia social’.

Você diria que os usuários do Facebook são descuidados?

As pessoas muitas vezes dão informações que não devem em mídias que, para todos os efeitos, são públicas e perenes. Facilita muito a vida das empresas de mineração de dados.

Você pode gostar