Gilberto Braga: O jeito é levar comida de casa

Você que vai ao supermercado fazer compras com regularidade familiar, já percebeu que na hora de pagar as contas o salário parece que está ficando mais curto

Por O Dia

Rio - Você que vai ao supermercado fazer compras com regularidade familiar, já percebeu que na hora de pagar as contas o salário parece que está ficando mais curto, que já não dá para quase mais nada. Isso é termo real, é forma mais fácil de entender como a inflação afeta a vida de cada um de nós.

Para comprar a mesma quantidade de produtos que você está acostumado é necessário gastar mais. Por outro lado, se o orçamento está apertado, a saída é mudar os hábitos de consumo, substituindo marcas mais caras pelas mais baratas, ou simplesmente, cortando alguns supérfluos, como iogurtes, queijos, frios, biscoitos, sucos industrializados, comida congelada etc.

Diamantino, nosso leitor virtual, vai em dois a três supermercados por semana, comprando só as promoções. No dia da carne, abastece o congelador . No dia da feirinha, compra legumes, frutas e folhagens. E por aí vai, cheio de disposição para encarar filas e congestionamentos de carrinhos de compras.

A inflação oficial de 2013 ficou em torno de 6% e os alimentos foram um dos itens que mais pesaram. Outra surpresa foi a alimentação fora de casa que subiu mais de 12%, ou seja, o dobro da inflação geral. Uma forma de economizar é levar a refeição de casa ou lanche na mochila.

Você se lembra da sua época de estudante, quando você comia merenda de casa na escola? Pois bem, é a mesma coisa agora. Os preços andam altos nos bares e restaurantes que já há campanhas de boicotes iniciados nas redes sociais, forçando os comerciantes espertos a baixarem os preços. Até bem pouco tempo imperava a crença de que ser chique era comer em lugar caro.

A moda mudou. Bacana agora é não pagar preço extorsivo. Quem sabe não é hora de resgatar a boa e velha marmita, com alimento caseiro e saudável?

Professor de Finanças do Ibmec e da Fund Dom Cabral

Últimas de _legado_Economia