Campanha Jarra d’Água terá fiscalização em restaurantes

Lei de 1995 garante a distribuição gratuita da bebida filtrada para os clientes

Por O Dia

Rio - A campanha Jarra d’Água, que conclama bares e restaurantes a oferecer água filtrada aos seus clientes recebeu milhares de curtidas e de compartilhamentos no Facebook. A proposta foi lançada essa semana para comemorar o primeiro mês da página Rio$urreal - Não Pague.

Estudante de Enfermagem%2C Fernanda Montes considera positiva a distribuição de água filtrada nos baresAlexandre Vieira / Agência O Dia

Além disso, ganhou um apoio de peso. A partir de hoje, a Secretaria Estadual de Defesa do Consumidor vai vistoriar os estabelecimentos para verificar se está sendo cumprida uma antiga lei, a 2.424/1995, que determina o “fornecimento gratuito de água potável, filtrada, para os consumidores”.

A própria secretária da pasta, Cidinha Campos, brincou na rede social: “Tentamos o método Piaget, educativo. Não deu certo, vamos para o método Pinochet”, para anunciar a fiscalização.

A ação vai se basear na verificação do número de jarras ou garrafas próprias para acondicionar água filtrada e gelada para servir aos clientes. “Se ficar comprovado que, se o estabelecimento não possui os utensílios, ele está descumprindo a lei”, acrescentou o diretor de Fiscalização do Procon Estadual, Fábio Domingos.

Por meio de nota, o Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes do Rio (SindRio) informou que orienta seus associados a cumprir a lei. “Assim, caso os clientes solicitem, o estabelecimento (bar ou restaurante) deve disponibilizar jarras de água filtrada aos clientes”, informa o comunicado.

Ontem, na página do Rio $urreal, várias pessoas postaram mensagens citando bares que cumprem a lei, informando até mesmo no cardápio que oferecem água potável aos clientes.

Estudante de Enfermagem, Fernanda Montes, 21 anos, disse concordar com a medida de distribuir água filtrada sem custo. “Os preços subiram na cidade inteira, principalmente na Zona Sul. Aqui, você não gasta menos de R$ 25 para almoçar. Distribuir água de graça não trará prejuízo para o comerciante”, afirmou a jovem.

Página ganha mais adeptos

Criada há um mês para protestar contra os preços altos de produtos e serviços na cidade, a página Rio $urreal-Não Pague rapidamente ganhou adeptos, que denunciam a cobrança exorbitante dos estabelecimentos no município.

O sucesso foi tão grande que o movimento ultrapassou as fronteiras do Rio e chegou a outras cidades como Porto Alegre, Recife, Brasília e São Paulo.

Outra página na rede social mostra o que há de mais barato pela cidade. A ‘Se Vira no Rio’ indica bares onde os preços cobrados são mais justos.

Um grupo de jovens cariocas criou o aplicativo ‘Cervaonde’ para celular, que mostra onde é possível encontrar a bebida por um valor mais acessível.

Últimas de _legado_Economia