Por thiago.antunes

Rio - Professores das unidades de ensino federal participam na próxima quarta-feira do ‘Dia Nacional de Paralisação dos docentes das Instituições Federais’. Assembleias nos estados vão definir os atos que serão promovidos na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

Segundo o primeiro secretário do Andes-SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior), Paulo Rizzo, as regionais vão organizar atividades como debates, aulas públicas, passeatas e panfletagem para conscientizar a população sobre as reivindicações específicas dos professores federais.

Já está previsto um grande ato em frente ao Ministério do Planejamento a partir das 9 horas.Segundo Rizzo, a intenção é cobrar negociação efetiva da pauta unificada apresentada ao governo federal e resposta à solicitação de audiência com a ministra do Planejamento, Miriam Belchior. O coordenador da CSP-Conlutas, Paulo Barela, declarou que os servidores se preparam para um processo importante de luta. E destacou que há uma possibilidade concreta de um processo de construção de uma greve, que pode se unificar no decorrer do mês de abril.

Assembleias nos estados vão definir os atos que serão promovidos na Esplanada dos Ministérios, em BrasíliaAlexandre Vieira / Agência O Dia

Em nota, o Andes-SN informou que após o ato público de quarta-feira haverá uma reunião ampliada do Fórum das Entidades para discutir as próximas etapas da campanha salarial. De acordo com o sindicato, será elaborada uma carta-aberta à população com intuito de esclarecer “a falta de políticas sociais do governo para o serviço público”.

A lista dos principais pontos da campanha unificada dos servidores públicos federais é extensa. Confira os pontos: definição de data-base de reajuste em 1º de maio; política salarial permanente com reposição inflacionária, valorização do salário base e incorporação das gratificações; cumprimento por parte do governo dos acordos e protocolo de intenções firmados; contra qualquer reforma que retire direitos dos trabalhadores; retirada de projetos de lei, medidas provisórias ou decretos contrários aos interesses dos servidores públicos; paridade e integralidade entre ativos, aposentados e pensionistas; reajuste dos benefícios, como vale-refeição e antecipação para 2014 da parcela de reajustes do próximo ano.

Em 2012, professores das universidades federais ficaram em greve por quatro meses. Na época, 57 unidades paralisaram as atividades. O documento assinado com o governo estabeleceu reajustes de 25% a 40% até 2015.

Prazo prorrogado

Servidores estaduais que ainda não contrataram o plano de saúde oferecido pelo governo têm até o próximo dia 20 para aderir sem carência. O prazo vale para a operadora Unimed Rio. Caso a opção seja pelas operadoras Amil ou Assim, haverá carência apenas para parto e doenças ou lesões preexistentes. A adesão deve ser feita no site www.aliancaadm.com.br/govrio

Outra opção é aderir pelo telefone 0800-2542622 ou ir pessoalmente na Central de Vendas localizada na Rua da Ajuda 5, subsolo, Centro do Rio, esquina com a Rua Nilo Peçanha (antigo Banerjão). O funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h. Quem preferir simular a mensalidade do plano deve acessar a página www.aliancaadm.com.br/govrio

Você pode gostar