Alimento certo reduz males

Dieta especial combate dores e ajuda o organismo a eliminar toxinas dos medicamentos

Por O Dia

Os alimentos ajudaram Aylva a combater diversas dores no corpoLuiza Gomes / Agência O Dia

Rio - Comida também pode ser ‘remédio’. Mudanças na alimentação são capazes de reverter vários males, como os efeitos colaterais da quimioterapia, a intoxicação por medicamentos e até os sintomas de doenças autoimunes. As propriedades terapêuticas naturais dos alimentos equilibram o funcionamento do corpo e ajudam o organismo a combater os problemas.

A maioria dos pacientes da educadora alimentar Rachel Barros, especialista em Higienismo e Antidieta — ramo da Nutrição que atua na desintoxicação — convive com doenças graves. Para tratá-los, a especialista ‘prescreve’ alimentos que desempenham funções específicas, como ajudar o corpo a se ‘livrar’ das toxinas acumuladas pelo uso de remédios.

No caso do Lúpus, doença autoimune, é comum que médicos prescrevam corticoide para combater inflamação e lesão dos tecidos. Ela explica que o rim é responsável por expelir o excesso de toxinas, por isso o órgão precisa ser ‘fortalecido’. “Tiramos o excesso de sal da dieta. O corticoide também prende o intestino. Para equilibrar, o paciente come arroz integral, que solta”, disse, acrescentando que o mesmo princípio de eliminação das toxinas dos remédios vale para pacientes que fazem quimioterapia.

A especialista explica ainda que medicamentos para doenças autoimunes atuam para reduzir o trabalho do sistema de defesa do corpo. Efeito semelhante, porém, o paciente pode conseguir ingerindo lima da pérsia e evitando bebidas estimulantes, com o benefício de não ter as consequências do corticoide. “Em alguns casos, é possível reduzir de 60 ml para 5 ml o corticoide”, aponta.

Mais qualidade de vida

Em 2003, Aylva Vasconcellos, 49 anos, foi aposentada por invalidez, após ter Acidente Vascular Cerebral (AVC) provocado por processos degenerativos do Lúpus. Outros cinco distúrbios autoimunes já a acometeram. Após o AVC, ela procurou Rachel e, com a mudança na dieta, os resultados apareceram em poucos dias. “Parei de perder sangue, de ter dor de cabeça e acidez no estômago. Dos 23 remédios que tomava, consegui tirar quase todos”, conta.

Sem controle de calorias

A Antidieta foi divulgada pela primeira vez nos Estados Unidos nos anos 80. A ideia básica é que o corpo desenvolve disfunções e acumula toxinas quando a alimentação e a digestão são feitas de forma inadequada. Na Anti-dieta não há necessidade de controlar as calorias ingeridas. O método se baseia no conhecimento dos ciclos metabólicos do corpo, para saber que tipo de nutriente consumir a cada momento do dia.

Por exemplo, suco com ervas, maçã e vegetais orgânicos crus deve ser tomado todos os dias pela manhã, em jejum. Entre os benefícios, está a função antioxidante. Outra dica é saber combinar os alimentos de modo que promovam a ativação de enzimas que aperfeiçoam a digestão. Apesar da base comum, a ‘prescrição’ é feita individualmente, retirando e colocando alimentos diferentes para atender às necessidades nutricionais, energéticas e imunológicas da pessoa.

O QUE COMER POR HORÁRIO

O corpo tem ciclos metabólicos e, a cada um, é melhor consumir determinados tipos de alimentos. Confira.

DE 4H AO MEIO-DIA

Do fim da madrugada até antes da hora do almoço, o corpo está passando por um processo de desintoxicação. Alimentos recomendados: frutas, sucos e pães sem glúten.

DE MEIO-DIA ÀS 20H

Fase da ingestão, quando devem ocorrer as refeições mais pesadas, como almoço, lanche e jantar. 

DE 20H ÀS 4H

O organismo assimila tudo o que foi digerido durante o dia. É o período de tempo em que as refeições devem ser mais leves. Sopas, caldos e chás.

Últimas de _legado_Economia