Práticas de educação financeira excluem idosos e pessoas de baixa escolaridade

Mapeamento nacional também identificou que as regiões Norte e Nordeste representam uma parcela ínfima das iniciativas para o uso consciente do dinheiro

Por O Dia

87% das ações direcionadas a educar a população para as finanças comportamentais estão concentradas no Sul e SudesteGetty Images

Rio - Apenas 6% das ações direcionadas a educar a população para as finanças comportamentais estão concentradas nas regiões Norte e Nordeste. Foi essa uma das conclusões do 1º Mapeamento Nacional de Iniciativas de Educação Financeira, divulgado nesta terça-feira, em São Paulo.

Em contrapartida, as regiões Sul e Sudeste concentram 87% de todas as ofertas regionais de orientação para o uso consciente das finanças. A pesquisa da Enef (Estratégia Nacional de Educação Financeira) ouviu 317 iniciativas no País, das 803 mapeadas.

O levantamento identificou uma lacuna que precisa ser preenchida por práticas futuras de formação financeira, na opinião da presidente da Associação de Educação Financeira do Brasil (AEF), Silvia Moraes, que apresentou o estudo.

“As regiões Norte e Nordeste têm um alto índice de vulnerabilidade social e receberam atenção especial do governo para sua inclusão social e produtiva. Isso mostra a urgência para que a região seja mais atendida pelas iniciativas existentes”, observou.

A pesquisa também concluiu que adultos e jovens com ensino médio e superior são os maiores beneficiados pelas práticas de educação financeira, apesar de tais medidas não apontarem restrições quanto à idade e o nível educacional das pessoas orientadas.

“As ações focam o cidadão economicamente ativo, mas é importante pensar em públicos em situação mais vulnerável, como idosos e moradores de áreas menos assistidas”, comentou a presidente da AEF.

Na visão da executiva, o público idoso carece de orientação por estar mais exposto ao crédito e por ter passado a viver mais e consumir mais. O mesmo ocorre com pessoas de nível educacional mais baixo, que tiveram maior acesso ao crédito nos últimos anos.

O mapeamento mostrou, ainda, que 60% do público atendido pelas iniciativas é composto por pessoas físicas, ao passo que a quantidade de pessoas jurídicas é inferior (39%), evidenciando menos iniciativas de orientação para o empreendedor no País.

Ambiente virtual lidera abordagem com o público

O meio virtual representa 78% dos meios utilizados para a abordagem das ações com o público, enquanto que 48% das práticas utilizam jornais, revistas e folhetos para se comunicar. O estudo também identificou quarto perfis de iniciativas de educação financeira, de modo que 31% são voltadas para o público jovem e infantil, focadas na formação de longo prazo.

Outros 24% são representados por consultorias especializadas; 25% das ações partem de entidades que promovem medidas ligadas a programas governamentais e 20% correspondem a empresas públicas e privadas que visam estreitar a relação com clientes, utilizando o tema como bandeira.

Últimas de _legado_Economia