Por felipe.martins

Rio - Trabalhadores se uniram no Rio para reivindicar a redução da jornada de trabalho de 44 horas para 40 horas. A antiga bandeira da Central Única dos Trabalhadores (CUT) voltou à tona em evento ontem na Central do Brasil, em lembrança ao Dia do Trabalho, comemorado hoje em boa parte do mundo.

O principal motivo da luta, segundo o presidente da CUT Rio, Darby Igayara, é a possibilidade de os trabalhadores passarem mais tempo com as famílias. “Também pretendemos oferecer quantidade maior de horas para que as pessoas consigam se qualificar. O transporte já ocupa um tempo considerável dos colaboradores, então precisamos diminuir a carga horária”, disse.

Além disso, a CUT e a Força Sindical defendem também a redução com o objetivo de criar novos postos de trabalho. “Com os trabalhadores permanecendo menos tempo dentro das fábricas, é necessário que se contrate mais pessoas”, explicou o presidente.

Entretanto, para o advogado trabalhista Marcelo Camello, a medida não é favorável para a economia. “A mudança implicaria em uma necessária redução de 10% do tempo de produção de empresas e dos mais variados ramos de atividade”, afirmou o especialista.

Outra reivindicação das entidades é o fim do fator previdenciário. Segundo o presidente da Força Sindical no estado, Francisco Dal Prá, a medida é uma injustiça com os trabalhadores. “A pessoa trabalha a vida inteira para se aposentar com dignidade e, dependendo da expectativa de vida, o ganho é reduzido para 65% do salário que ela recebia em atividade. É uma completa falta de respeito com quem produz nesse país”, disse.

Você pode gostar